Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Indígena brasileira protesta em Paris contra barragens na AM


Indígena brasileira protesta em Paris contra barragens na AM - Gente de Opinião

A indígena brasileira Sônia Guajajara e mais de cem apoiadores se manifestaram em Paris hoje,
contra a construção de mega-barragens na Amazônia brasileira/Survival International

A indígena brasileira Sônia Guajajara liderou um protesto no último dia 14, em Paris – Dia Internacional de Ação pelos Rios – pedindo a suspensão da construção de mega-barragens na Amazônia.

A Sônia levou mais de cem manifestantes para os escritórios das empresas francesas GDFSuez, EDF e Alstom, que estão envolvidos na construção de várias barragens destrutivas.

O grupo formou ‘ondas humanas’, que se chocaram contra os edifícios dos escritórios para representar a destruição de grandes barragens amazônicas pelo movimento global contra as barragens. O grupo também levou suas mensagens para o Rio Sena. Apoiadores da Survival International carregaram cartazes com as palavras ’Pare barragens na Amazônia’.

Sônia, da tribo Guajajara no nordeste da Amazônia, é a coordenadora nacional da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB).

Ela disse, ‘A reputação do Brasil está em jogo… Estamos aqui para trazer visibilidade ao preconceito inaceitável e a discriminação sofrida pelos povos indígenas e exigimos que isso pare.’

Apesar de forte oposição, o Brasil está avançando com suas construçôes da enorme barragem de Belo Monte, no Rio Xingu, e as barragens dos rios Madeira e Tapajós, todas no coração da floresta amazônica.

Milhares de índios estão se manifestando contra esses projetos, advertindo que estão devastando a floresta e colocando em risco a vida dos milhares de índios que vivem lá.

Líder indígena Megaron Kayapó disse: ‘Quais rios teremos para pescar? O Xingu é nosso rio, nosso supermercado… Vivemos pela caça, pesca e plantio… Sempre fomos contra (Belo Monte), e seremos sempre contra’.

Os índios isolados que vivem perto das construções das barragens podem ser completamente dizimados por doenças externas trazidas pelos milhares de imigrantes sendo atraídos para as áreas.

Na terça-feira, Sônia denunciou o abuso do Brasil dos direitos indígenas na Organização das Nações Unidas em Genebra, incluindo os planos do governo e de alguns latifundiários para enfraquecer os direitos indígenas e abrir territórios indígenas a enormes projetos industriais.

O Diretor da Survival França, Jean-Patrick Razon, disse, ‘As demandas da Sônia hoje em Paris, apenas três meses antes da Copa do Mundo, são mais uma alerta do escândalo de direitos humanos infligido aos índios por essas empresas francesas, e pelo Estado brasileiro. Quando eles vão ouvir e acabar com isso de uma vez por todas?’

A visita de Sônia na Europa foi coordenada pelas organizações Amazon Watch, France Libertés e Planète Amazone.

Leia sobre esta história na página da Survival na internet:
http://www.survivalinternational.org/ultimas-noticias/10066

A Survival International ajuda os povos indígenas a defender suas vidas, proteger suas terras e determinar seu próprio futuro. Fundada em 1969, este ano a Survival está celebrando seu aniversário de 45 anos.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia