Porto Velho (RO) sexta-feira, 19 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Haitianos sobrevivem de doações da Igreja Católica


Marcos Chagas
Agência Brasil

Brasília – A única assistência dada aos 105 haitianos acampados há 100 dias em Iñapari, município peruano que faz fronteira com o Acre, é prestada por particulares e pela Igreja Católica tanto do Brasil quanto do Peru. O relato foi feito à Agência Brasil pelo padre brasileiro Rutemarque Crispim, que confirmou a situação de total abandono dos imigrantes haitianos.

O padre Crispim disse que essas pessoas sobrevivem de doações e estão sem alimentos, água potável e dormem ao relento. Ele tem ido praticamente uma vez por semana a Iñapari para levar doações entregues por acreanos na paróquia Nossa Senhora das Dores, em Brasileia (AC).

O pároco da igreja disse que estará novamente amanhã em Iñapari para levar mais mantimentos. Em geral, segundo ele, os haitianos recebem arroz, feijão, óleo, ovos e enlatados como sardinha. No entanto, a capacidade de mobilização é limitada e não atende a todas as pessoas.

“Há quatro dias, quando estive lá pela última vez, tirei dinheiro do bolso para comprar comida, já que lá é bem mais barato que no Acre”, disse o padre. Amanhã, ele fará um relatório sobre a situação vivida pelos imigrantes para encaminhar à coordenadora da Pastoral da Mobilidade, irmã Rosita Milesi, que enviará a avaliação para conhecimento da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

A situação em Brasileia (AC) também começa a ficar preocupante. No início do ano, a cidade chegou a receber mais de dois mil imigrantes haitianos até o governo federal determinar o fechamento da fronteira.

O servidor da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do governo do Acre, Damião Borges, disse à Agência Brasil que só nesta semana já entraram na cidade ilegalmente 36 haitianos. “E continua a chegar mais, nós estamos ficando preocupados”, acrescentou ele. Damião é responsável pela coordenação de ajuda humanitária a essas pessoas.

Damião explicou que os haitianos mudaram a rota para entrar no Brasil. Sabendo das dificuldades enfrentadas pelos compatriotas acampados em Iñapari, o servidor público acreano explicou que os outros que chegam quase que diariamente optaram por outra trilha, pela Bolívia, até Cobija, por onde entram no Brasil pela cidade de Brasiléia.
 

VOCÊ PODE GOSTAR

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe