Porto Velho (RO) sexta-feira, 10 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Guerra na Síria já matou mais de 220 mil pessoas


 
Da Agência Lusa / Agência Brasil

A guerra na Síria já matou mais de 220 mil pessoas desde o início da revolta contra o regime de Bashar Al Assad, em março de 2011, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

"Registramos 222.271 mortes desde o início dos confrontos, em março de 2011", disse o chefe do OSDH, Rami Abdel Rahman, à agência de notícias AFP, acrescentando que o número de mortos entre os civis chega aos 67.293, incluindo 11.021 crianças.

De acordo com a organização não governamental, com extensa rede de informação no país, entre os combatentes contra o regime há 39.848 rebeldes sírios mortos e mais 34.872 jihadistas estrangeiros.

No que diz respeito às forças que apoiam o regime de Bashar Al Assad, são registrados 46.843 soldados mortos, 34,872 integrantes das milícias das Forças de Defesa Nacional, 683 membros dos xiitas do Hezbollah e ainda 2.844 de outros países.

Não estão contabilizadas cerca de 20 mil pessoas cujo paradeiro é desconhecido, acrescentou o Observatório. Para a ONG, o número real é superior aos 220 mil anunciados.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia