Porto Velho (RO) segunda-feira, 8 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Governo português busca solução para a crise política


Gilberto Costa*
Agência Brasil/EBC

Leipzig (Alemanha) – Em Portugal, permanece o impasse político causado pelo pedido de demissão do ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas. O político, que ocupa cargo equivalente ao de chanceler no Brasil, é o principal líder do Centro Democrático Social – Partido Popular (CDS-PP), a segunda legenda de sustentação do governo do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho (do Partido Social Democrata – PSD).

Com 24 deputados, o CDS-PP (de orientação conservadora) é o “fiel da balança” que permite ao governo de Passos Coelho ter maioria na Assembleia da República (132 dos 230 deputados). Conforme a Agência Lusa, o primeiro-ministro e o que pediu demissão têm se encontrado constantemente em busca de uma solução para o entrave. Portas pediu demissão por não concordar com a escolha de Maria Luís Albuquerque (ex-secretária do Tesouro) para o Ministério das Finanças, em substituição a Vitor Gaspar.

Portas tenta marcar posição contrária à continuidade da política de austeridade econômica implantada por Vitor Gaspar e acordada com credores internacionais. A avaliação do CDS-PP é que Maria Luís Albuquerque seguirá com rigoroso controle fiscal -  programa de cortes de gastos sociais, demissão de funcionários e manutenção da alta de impostos. Além da economia, os políticos se movimentam tendo em vista as eleições autárquicas (regionais) de setembro. Em princípio, as eleições para a Assembleia da República só devem ocorrer em 2015.

A oposição, liderada pelo Partido Socialista (PS), e a principal central sindical de Portugal (Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - CGTP) querem que o governo se demita ou seja exonerado pelo presidente Aníbal Cavaco Silva, que é do PSD. A intenção do PS, da CGTP e de todos os partidos de esquerda é que sejam antecipadas as eleições legislativas.

Para o economista Jorge Bateria, do blog especializado em política econômica, o desenlace da crise será a ascensão eleitoral do PS (liderado pelo deputado António José Seguro), com o apoio do CDS-PP e algum afrouxamento fiscal obtido após um segundo empréstimo internacional. Ele compara a situação de Portugal à da Argentina no fim dos anos 1990

“Vítor Gaspar sai porque percebeu que não tem condições políticas para conduzir um ajustamento a ferro e fogo, à maneira de Domingo Cavallo, na Argentina. amarrada ao dólar. Por seu lado, Paulo Portas percebeu, já há alguns meses, que essa política é insustentável. Tudo ponderado, decidiu que era chegado o momento de abandonar o navio até porque a nova ministra [Maria Luís Albuquerque] não representa qualquer mudança na política econômica. No fundo, Portas concorda com [António José] Seguro. É preciso tempo para conseguir um equilíbrio nas contas públicas que seja apoiado por crescimento econômico”, escreveu o especialista no blog.

Hoje, Cavaco Silva se reúne com economistas para discutir o fim do ajustamento econômico que era previsto para junho de 2014. Enquanto isso, Passos Coelho e Paulo Portas esperam que o CDS-PP adie por duas semanas a reunião do Conselho Nacional da legenda, que poderá selar a saída definitiva do partido do governo.

*O repórter está em Leipzig a convite da Confederação Nacional da Indústria

Mais Sobre Mundo - Internacional

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe