Porto Velho (RO) terça-feira, 7 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Farc libertam o soldado refém desde janeiro


Renata Giraldi*
 Agência Brasil

Brasília – As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) libertaram um refém ontem (16) à noite. O soldado Josué Álvarez Meneses estava em cativeiro desde 31 de janeiro. O militar foi entregue a uma comissão humanitária formada pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha e a organização não governamental (ONG) Colombianos e Colombianas pela Paz.

Ainda há dois reféns sob poder das Farc cuja libertação foi negociada. A expectativa é que sejam libertados os policiais Victor Alfonso González Ramírez e Cristián Camilo Yate Sánchez, sequestrados no Vale do Cauca, em 23 de janeiro, no departamento (estado) de Nariño.

As Farc e o governo colombiano têm feito rodadas de negociações de paz em Havana (Cuba) na tentativa de encerrar quase cinco décadas de conflito. As mediações são feitas por autoridades de Cuba, da Venezuela, do Chile e da Noruega.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, agradeceu o apoio do presidente do Parlamento Europeu, Martín Schulz, para o processo de paz em curso no país.

*Com informações da BBC Brasil e da Presidência da República da Colômbia
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia