Porto Velho (RO) quarta-feira, 1 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Economia norte-americana sofreu ataque cardíaco



Da Agência Lusa

Agência Brasil, Brasília - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse ontem (30) que a economia norte-americana sofreu um “ataque cardíaco”. Segundo ele, a economia se recupera lentamente, enquanto o governo se prepara para anunciar um novo pacote de estímulo. A previsão é que o plano seja anunciado entre os dias 20 e 22, durante reunião do Banco Central do país - o FED.

“Acabamos de sofrer a pior crise financeira desde a Grande Depressão [crise de 1929, período de recessão econômica que persistiu ao longo da década de 30] e depois das recessões e crises financeiras que temos vivido, o paciente precisa de tempo para se curar”, disse Obama. “A nossa economia sofreu um ataque cardíaco, ainda está viva, vai curar-se, mas muito lentamente”, acrescentou.

O presidente prepara um plano que visa a combater o déficit fiscal e o desemprego. Os republicanos, com maioria na Câmara e oposição ao governo, manifestaram-se contra algumas propostas discutidas. Para a oposição, a solução está na adoção de medidas econômicas que envolvam menos dependência do país.

 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia