Porto Velho (RO) sábado, 4 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Corpo de Arafat será examinado por especialistas suíços devido às suspeitas de envenenamento


Renata Giraldi*
Agência Brasil

Brasília - O corpo de Yasser Arafat, ex-presidente da Autoridade Nacional Palestina, será examinado pelo Instituto de Física de Radiação do Centro Hospitalar Universitário de Lausanne, na Suíça. Há suspeitas de que Arafat, morto em 2004, em Paris, na França, tenha sido envenenado. Os exames foram autorizados pela viúva Suha Arafat. É a segunda vez que os restos mortais de Arafat são periciados.

O advogado de Suha Arafat em Genebra, Marc Bonnant, disse apenas que ela “quis essa investigação”. Os especialistas do centro suíço aguardam apenas os trâmites burocráticos para seguir viagem até a Cisjordânia, onde está o corpo de Arafat.

De acordo com as suspeitas, Arafat pode ter sido envenenado com uma substância tóxica radioativa, denominada polônio. No mês passado, o instituto suíço informou ter descoberto uma quantidade anormal de polônio quando analisou amostras biológicas em objetos pessoais do líder.

*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa.
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia