Porto Velho (RO) sexta-feira, 12 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Cooperativa do Haiti usa minifábrica brasileira de processamento de castanha de caju



Danilo Macedo
Agência Brasil
 

Brasília - Cooperativa do Haiti usa minifábrica de processamento de castanha de caju produzida e doada por brasileiros. Instalada neste mês, a fábrica foi desenvolvida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e doada à cooperativa haitiana pelo governo federal.

De acordo com a estatal, o modelo propicia uma produção de baixo custo e possibilitará a inserção, ao mercado, de pequenos produtores que atualmente apenas fornecem a castanha in natura para as grandes indústrias.

A princípio, a processadora deve beneficiar 700 pessoas de Grande-Rivière-du-Nord, que fica 300 quilômetros ao norte da capital haitiana, Porto Príncipe. Entretanto, para o pesquisador Fábio Paiva, da Embrapa Agroindústria Tropical, que tem sede em Fortaleza, a ação brasileira pode servir de incentivo para outras ações no mesmo sentido. Ele esteve no Haiti entre os dias 6 e 19 de dezembro acompanhando a instalação dos equipamentos.

“Naquela região tem várias ONGs [organizações não-governamentais] com recursos, que podem adquirir novas minifábricas. Vemos esse projeto como uma unidade demonstrativa, para incentivar a produção. Esperamos que a iniciativa privada e o governo também se motivem e repliquem o modelo no país, que está precisando de ajuda”, afirmou Paiva.

O valor médio de uma planta como a que foi doada pelo governo brasileiro é de US$ 60 mil.

Segundo o pesquisador, atualmente, a castanha é beneficiada em condições higiênicas precárias. Mesmo assim, os haitianos conseguem um bom preço pelo produto, cerca de US$ 20 por quilo. Com a nova tecnologia, a castanha poderá ser ofertada com melhor qualidade. Os equipamentos apresentam índices de até 85% de amêndoas inteiras, enquanto no corte mecanizado das indústrias tradicionais a média é de 55%.

Paiva disse que a minifábrica também pode beneficiar banana, agregando mais valor a essa fruta, muito produzida no Haiti. Em relação à castanha in natura, a capacidade diária de processamento é de 500 quilos. Depois da instalação, 30 pessoas da comunidade foram treinadas para operar os esquipamentos.

O projeto de cooperação, chamado Transferência de Tecnologias em Sistemas de Produção e Processamento de Caju, é coordenado pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC), pela Embaixada do Brasil no Haiti e pelo governo haitiano, por meio do Ministério da Agricultura, dos Recursos Naturais e do Desenvolvimento Rural, com recursos do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Mais Sobre Mundo - Internacional

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe