Porto Velho (RO) sexta-feira, 12 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

CLIMA DE PÂNICO: Crise europeia assombra mercados


Papandreou, premiê grego: defesa de pacote de austeridade, aprovado pelo Parlamento

O clima de pânico nos mercados lembrou, ontem, o caos financeiro de meados de 2008, quando o Lehman Brothers quebrou. No pior momento, a bolsa de valores de Nova York teve queda abrupta e em ritmo alucinante de 998,5 pontos, a maior de toda a sua história em pontos, e de 9% em termos percentuais. O dólar subiu quase 6% frente ao real. Foi um movimento de pânico, mas ainda restrito aos investidores, fundos e bancos.

O mercado de crédito internacional, porém, esteve longe do que aconteceu em 2008. A liquidez se reduziu no mercado de bônus, mas o crédito interbancário continuou fluindo, embora com prêmios bem maiores. O risco-Brasil subiu 14,06%, ou 23,62 pontos básicos, para 152,10 pontos, muito abaixo do risco do Santander, que foi a 240,83 pontos.

"Em 2008, a quebra já havia acontecido", lembra Alexei Remizov, responsável pelo mercado de capitais do HSBC Securities, em Nova York. "Agora, há o temor de uma moratória que ainda não aconteceu", afirma ele, que não vê uma solução fácil para a crise no curto prazo. A própria lembrança recente do que é um evento de não pagamento de grandes proporções tornou o pânico ainda maior.

Diante do risco concreto de que moratórias de governos europeus pesem sobre o ainda combalido sistema financeiro mundial, o dólar ganhou força em relação a quase todas as moedas, enquanto o euro caiu para seu menor nível em 14 meses. Os investidores pediam injeção de liquidez direta no mercado secundário de títulos da dívida da Grécia, mas o Banco Central Europeu se recusou e detonou uma fuga em massa do risco e um movimento de desmonte de posições para conter perdas. A aprovação pelo Parlamento grego do pacote de ajuste não foi suficiente para conter o mau humor.

Um evento inédito no mercado americano também contribuiu para disseminar o pânico. Uma onda de ordens de venda de origem não identificada - e que pode envolver trapalhadas como erros de digitação - ajudou a derrubar o Dow Jones, que fechou em baixa de 3,2%. O Ibovespa caiu 2,31%, para 63.414 pontos, acumulando perda de 7,54% no ano.

Mesmo depois do fechamento dos mercados, ninguém sabia explicar o ocorrido. Operadores disseram que uma grande instituição teria, acidentalmente, disparado uma programação errada. Um operador teria digitado uma ordem de venda de US$ 16 bilhões em vez de US$ 16 milhões. À noite, a bolsa eletrônica Nasdaq informou a decisão de cancelar uma série de operações fechadas com preços distorcidos, numa ação coordenada com outras bolsas.

O real foi uma das moedas que mais se desvalorizou ontem. O dólar fechou em alta de 2,84%, cotado a R$ 1,849. Há muito investimento externo para deixar o país em momento de pânico. Dados da Anbima mostram que o total de ações e títulos de renda fixa detidos por estrangeiros atingiu R$ 528 bilhões em março, cerca de R$ 140 bilhões a mais do que em setembro do ano passado e acima do total de R$ 370 bilhões de antes da crise do Lehman Brothers, em janeiro de 2008.

Fonte: Jornal Valor Econômico
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe