Porto Velho (RO) sábado, 4 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

China quer crise na Síria das discussões do G20 no México


Renata Giraldi*
Agência Brasil

Brasília – O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da China (o equivalente ao Ministério das Relações Exteriores no Brasil), Cui Tiankai, defendeu hoje (11) que as discussões na Cúpula do G20 (que reúne as maiores economias do mundo), no México, nos próximos dias 18 e 19, sejam concentradas nos desdobramentos da crise econômica internacional. Os chineses não querem a inclusão do agravamento dos conflitos na Síria nos debates.

A China, a Rússia e o Irã são aliados históricos da Síria e resistem, por exemplo, à proposta de intervenção militar no país. Para os chineses, russos e iranianos, a comunidade internacional não deve interferir nos conflitos na Síria – que duram 15 meses e já deixaram mais de 10 mil mortos.

Segundo Cui Tiankai, o G20 não não é o local apropriado para discutir o assunto.“A situação na Síria é uma preocupação de todos, em nível global. No entanto, o G20 é uma plataforma para a governança econômica global e não temos visto questões políticas e de segurança na agenda do grupo”, disse ele.

Porém, em reuniões anteriores do G20, várias questões políticas e de direitos humanos foram debatidas e mencionadas no documento final, assinado pelos chefes de Estado e de Governo. A presidenta Dilma Rousseff confirmou presença nas discussões no México.

“A comunidade internacional tem grande interesse em saber se os problemas dos países desenvolvidos serão resolvidos de forma responsável e se melhorarão as perspetivas econômicas do mundo”, disse o vice-ministro da China.

*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa//Edição: Graça Adjuto
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia