Porto Velho (RO) quarta-feira, 1 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Chávez ganha plenos poderes para governar até 2012


 

BBC Brasil

Agência Brasil, Brasília - A Assembleia Nacional da Venezuela aprovou nesta sexta-feira (17) uma lei habilitante que concede ao presidente Hugo Chávez plenos poderes para governar por decreto até meados de 2012, ano das eleições presidenciais. Na reta final do debate, o Parlamento surpreendeu ao aprovar a ampliação do prazo de 12 meses, como pedido pelo presidente, para 18 meses.

"Os venezuelanos confiam no presidente e sabem que estão garantidos se o presidente tem essa lei em suas mãos”, afirmou a presidente da Assembleia, Cília Flores, ao justificar a ampliação. “Vitória popular”, gritavam os deputados logo após a aprovação.

Agora, Chávez poderá ditar decretos-lei nas áreas de economia, defesa, cooperação internacional, moradia, infraestrutura e propriedade de terras até julho de 2012, a cinco meses da votação que põe em jogo sua terceira reeleição.

Na quinta-feira (16), o presidente já havia dito que tem "quase prontas" 20 leis. O Executivo argumenta que a medida busca acelerar a aprovação de um pacote de leis para lidar com a crise ocasionada pelas fortes chuvas que assolam o país e que já deixaram um saldo de pelo menos 40 mortos e mais de 133 mil desabrigados.

"Precisar de um ano e meio para atender a emergência mostra a ineficiência do governo", afirmou a deputada Pastora Medina pouco antes da aprovação da lei.

Para os deputados opositores, a lei habilitante é uma estratégia do Executivo para coibir a atuação do novo parlamento, que tomará posse em 5 de janeiro. Isso porque na nova legislatura, 40% das cadeiras serão ocupadas pela oposição e o governo deixará de ter a maioria absoluta no Congresso - composição que permitiu, nos últimos cinco anos, aprovar reformas sem dificuldades.

"A [lei] habilitante por 18 meses anula a atividade legislativa da próxima Assembleia", afirmou o deputado Tomás Sanchez.

A bancada governista refuta, ao afirmar que a atuação do Parlamento não será afetada e que o presidente e deputados legislarão "paralelamente" em assuntos diferentes.

No âmbito socioconômico, a lei habilitante dá aval a Chávez para "erradicar as desigualdades sociais”. Na prática, ela abre caminho para a eliminação dos monopólios industriais - processo que já vem ocorrendo com nacionalizações de empresas - e à erradicação de latifúndios no país.

Chávez também ganha poderes para legislar no polêmico setor das telecomunicações e informática. No âmbito internacional, caberá diretamente ao presidente assinar decretos-lei que formalizem acordos de cooperação internacional, sem ter que passar pelo crivo do Congresso.

Com a volta da bancada opositora à cena legislativa, o governo não poderá aprovar leis orgânicas - cuja alteração obrigaria uma reforma constitucional - sem a aprovação de parte desses parlamentares.

Por essa razão, o Parlamento correu para aprovar um controvertido pacote de oito leis orgânicas enquanto contam com a maioria. O novo conjunto de leis define desde novas regras para as telecomunicações a financiamento estrangeiro para organizações políticos.

Outro projeto polêmico é o que pune a infidelidade partidária. O parlamentar que votar contra as diretrizes de sua bancada ou pretender mudar de partido poderá ser suspenso ou ter seu mandato cassado.

Essa é a quarta vez que Chávez pede poderes especiais para legislar, sem ter que passar pelo crivo da Assembleia Nacional. Em 1999, ele pôde governar por decreto durante seis meses. Em 2000, o prazo dado pelos parlamentares foi de um ano. Em 2007, teve o aval para firmar decretos-lei durante 18 meses. Neste período foram lançadas as principais leis de nacionalização dos setores considerados estratégicos como petróleo, telecomunicações e eletricidade.
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia