Porto Velho (RO) domingo, 5 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Chanceleres sul-americanos vão à ONU para discutir sobre as Ilhas Malvinas


Renata Giraldi*
Agência Brasil

Brasília – A tentativa de retomar as discussões sobre a soberania das Ilhas Malvinas (Falklands, para os britânicos) é o tema principal das reuniões dos chanceleres da Argentina, do Uruguai, Peru e de Cuba, na Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, por dois dias. Os ministros das Relações Exteriores, Héctor Timerman (Argentina), Luis Almagro (Uruguai e no exercício da presidência temporária do Mercosul), Bruno Rodríguez Parrilla (Cuba) e José Beraun Aranibar (Peru) têm reuniões hoje (25) e amanhã (26).

A soberania das Ilhas Malvinas é reivindicada por argentinos e britânicos. Atualmente as ilhas estão sob domínio do Reino Unido. A disputa foi acirrada em 1982 por uma guerra que provocou mortes dos dois lados. O assunto é tema prioritário da agenda internacional do governo da Argentina.

A delegação de chanceleres deve ser recebida hoje pelo presidente da comissão especial da ONU, o embaixador equatoriano Diego Morejon Pazmino. O encontro ocorre no momento em que o governo do Reino Unidos promoveu um referendo, no qual a maior parte dos cerca de 2 mil moradores das ilhas optou pela manutenção do status de território autônomo britânico.

Os chanceleres também têm reunião com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, no dia 26. Por várias vezes, o secretário defendeu a busca de diálogo entre argentinos e britânicos referindo-se à questão das Malvinas.

Em sua primeira audiência com o papa Francisco, no último dia 18, a presidenta Cristina Kirchner pediu a interferência dele nas negociações envolvendo as Ilhas Malvinas. Francisco é argentino e foi arcebispo de Buenos Aires.

*Com informações da agência pública de notícias da Argentina, Telam.
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia