Porto Velho (RO) domingo, 29 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Casa Branca anuncia morte do número dois do Estado Islâmico



Da Agência Lusa

O número dois do grupo extremista Estado Islâmico (EI) foi morto durante um ataque aéreo dos Estados Unidos no norte do Iraque, informou  ontem (21) a Casa Branca.

O Conselho Nacional de Segurança identificou o militante morto como Fadhil Ahmad al-Hayali, também conhecido como Haji Mutaz.

As forças de defesa dos Estados Unidos explicaram que Al-Hayali morreu junto com um operacional do grupo, conhecido como Abu Abdullah, na terça-feira (18), durante ataque contra um veículo perto da cidade de Mossul.

A Casa Branca descreveu Al-Hayali como membro do Conselho Governativo do Estado Islâmico e “principal coordenador para o transporte de grandes quantidades de armas, explosivos, veículos e pessoas entre o Iraque e a Síria”.

“Fadhil Ahmad al-Hayali apoiou as operações do grupo em ambos os países e foi responsável pelas operações do Estado Islâmico no Iraque nos últimos dois anos”, afirmou a Casa Branca, acrescentando que, antes de pertencer ao grupo extremista, Al-Hayali fazia parte da facção iraquiana da Al-Qaeda.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia