Porto Velho (RO) sexta-feira, 12 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Brasil quer intensificar apoio para a reconstrução do Haiti


Renata Giraldi
Agência Brasil

Brasília – Depois de visitar Cuba ontem e anteontem, a presidenta Dilma Rousseff desembarca na manhã de hoje (1º) em Porto Príncipe, no Haiti, com a determinação de intensificar a cooperação brasileira nas áreas de saúde - em parceria com os cubanos -, agricultura, capacitação profissional e apoio à construção da usina hidrelétrica no Rio Artibonite, no Sul do país, a 60 quilômetros da capital haitiana.

Depois de concluída, a Hidrelétrica Artibonite 4C deve se transformar no símbolo do principal apoio brasileiro ao desenvolvimento do Haiti. Com potência instalada de 32 megawatts, a hidrelétrica deve gerar energia suficiente para atender a cerca de 230 mil famílias.

Para o governo do presidente Michel Martelly, a Hidrelétrica Artibonite 4C é tratada como um marco na economia do país devido aos benefícios no plano ambiental. A pedido do governo haitiano, em maio de 2008 o Exército Brasileiro, por meio do Instituto Militar de Engenharia, elaborou o projeto básico para a hidrelétrica. Esse estudo técnico, estimado em US$ 2,5 milhões, foi doado pelo Brasil ao Haiti.

De acordo com assessores da Dilma, a visita ao Haiti é emblemática, pois ocorre no momento em que o país tenta vencer as dificuldades de reconstrução causadas pelo terremoto de 12 de janeiro de 2010, quando morreram mais de 220 mil pessoas, e o agravamento da epidemia de cólera.

Com menos de um ano no cargo, o presidente Martelly vive um momento político delicado, pois não tem o apoio da maioria no Parlamento e tenta consolidar-se por meio do anúncio de ações isoladas. Ao mesmo tempo, o histórico político do Haiti de instabilidade e tensões cria um ambiente de apreensão, segundo observadores brasileiros.

Em sua visita, a presidenta pretende mostrar que o Brasil quer se manter como protagonista no que se refere à ajuda ao país. No que depender dela, o apoio internacional não deve ser limitado às ações militares, mas ampliado para a área social. Os projetos de combate à fome e de erradicação da pobreza executados no Brasil, por exemplo, podem ser adaptados ao Haiti, segundo especialistas.

Com índices de violência e desemprego elevados, o Haiti sofre com as ações de grupos organizados, denominados gangues urbanas. Uma das tarefas da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), formada por militares brasileiros e de várias nacionalidades, foi atenuar o poder desses grupos. A missão, porém, que tem caráter temporário, deverá ser retirada do país.
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Missão em Israel proporciona grande experiência de fortalecimento comercial com produtos de Rondônia

Uma missão para um país como Israel, que se reinventou superando adversidades naturais e políticas, torna-se de grande relevância estratégica para est

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

Em Tel Aviv, potenciais de Rondônia são apresentados para empresários em Missão Internacional do Sebrae

A Missão Internacional Israel, promovida pelo Sebrae em Rondônia deve gerar grande frutos em breve. Empreendedores rondonienses compuseram a comitiv

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe