Porto Velho (RO) segunda-feira, 6 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Bombardeiro dos EUA sobrevoa Coreia do Sul



Da Agência Lusa

Um bombardeiro norte-americano sobrevoou hoje (10) a Coreia do Sul, em uma demonstração de força do exército dos Estados aliados de Seul, após o teste nuclear de Pyongyang.

O bombardeiro B52 Stratofortress, que pode transportar armas nucleares, e com um raio de longo alcance, sobrevoou a base aérea militar de Osan, a cerca de 70 quilômetros ao sul da fronteira entre as duas Coreias, antes de regressar à sua base, indicou o Exército norte-americano e uma testemunha.

O B-52, que foi destacado da base norte-americana de Andersen, na ilha de Guam, é frequentemente utilizado nos exercícios militares anuais conjuntos dos Estados Unidos e da Coreia do Sul.

Contudo, os voos para alguma zona raramente são tornados públicos.

A última vez que isso ocorreu foi em 2013, após o terceiro teste nuclear norte-coreano. Na ocasião, o Exército norte-americano destacou um B52 e ainda um bombardeiro furtivo B2.

Um comunicado conjunto das forças armadas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul diz que o bombardeiro destacado sobrevoou Osan escoltado por dois caças sul-coreanos F-15 e dois caças norte-americanos F-16.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia