Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Bolívia não quer pessoas armadas na fronteira


 
 
O governo da Bolívia deve pedir às autoridades brasileira uma maior vigilância sobre as fronteiras, visando impedir a entrada de pessoas armadas no país. A informação foi divulgada pelo ministro da Defesa, Walker San Miguel, que avaliava a situação no oposicionista departamento de Pando à televisão estatal. Apenas em Cojiba, capital do departamento, mais de cem pessoas já se feriram e dezoito morreram nos confrontos entre governistas e opositores. A cidade foi tomada pelas Forças Armadas, que agora patrulha as ruas de Cojiba, em estado de sítio desde sexta-feira, bem como todo o departamento, palco dos mais violentos combates. No entanto, Hugo Mopi, porta-voz do governo de Pando, negou que a cidade tenha sido tomada. Outro ministro, Juan Ramón Quintana, da Presidência, salientou a existência de uma ordem de prisão contra o governador de Pando, Leopoldo González, acusado pelo governo de envolvimento nas mortes provocadas pelo conflito. González negou todas as acusações. Hoje, o Comitê Cívico de Santa Cruz anunciou a suspensão de todos os atos de violência, para auxiliar na tentativa de diálogo entre os dois lados do conflito.

Fonte: Jovem Pan

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia