Porto Velho (RO) quarta-feira, 1 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Bolívia descarta declarar zona de desastre na região amazônica inundada


O Governo de Evo Morales descartou declarar como zona de desastre o departamento amazônico do Beni, que segundo alguns, tem 80 por cento de seu território inundado, conforme informes da agência boliviana de informações. 

O porta-voz de Morales, Alex Contreras (foto), disse esta madrugada que segundo o Ministério da Defesa não é necessário, por enquanto, declarar zona de desastre nas áreas inundadas do Beni, em razão das fortes chuvas provocadas pelo fenômeno climático La Niña.

Com mais de 200.000 km quadrados de superfície, é mais que todo o Uruguai, a região do Beni tem, segundo informações da agência, 80 por cento do seu território inundado, principalmente pelo transbordamento dos rios que cruzam este departamento boliviano. 

De acordo com informações da ONU, provavelmente a situação de transbordamentos dos rios continuará até meados de abril. 

Ajuda Internacional estão chegando do Brasil, Chile, Venezuela, Argentina, Peru, Estados Unidos e mais recentemente a Espanha.

Fonte: Gentedeopinião com informações da agência boliviana de informações. 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia