Porto Velho (RO) sábado, 28 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Bolívia adia negociação com trabalhadores


Renata Giraldi*
Agência Brasil

Brasília – O governo do presidente da Bolívia, Evo Morales, adiou as negociações com a principal entidade sindical do país, a Central Trabalhadora Boliviana (COB) até que sejam encerradas as paralisações em todo o país. O ministro do governo (o equivalente à Casa Civil no Brasil), Carlos Romero, disse que o governo espera o fim das mobilizações para retomar as conversas.

Segundo Romero, o governo alertou sobre o prejuízo de cerca de US$ 500 mil por dia não trabalhado no Centro de Mineração de Huanuni. Anteriormente, a COB anunciou o fim das paralisações por 48 horas.

O secretário executivo da COB, Juan Carlos Trujillo, informou que vai atender aos apelos do governo. Há duas semanas, a entidade promove paralisações e protestos, prometendo ampliar as mobilizações, inclusive bloqueando estradas. Os trabalhadores reivindicam um plano de carreiras para a categoria dos mineiros, o pagamento integral da aposentadoria e o aumento de até 80% dos salários.

*Com informações da emissora multiestatal de televisão, Telesur
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia