Porto Velho (RO) domingo, 24 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

BID: Dívida da América Latina não está diminuindo


Gilbert Le Gras - Agência O Globo WASHINGTON (Reuters) - A dívida total dos governos da América Latina é maior do que alguns especialistas acreditavam ser e não está diminuindo, afirmou o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).``Usar a dívida total dos governos, que é uma medida mais abrangente, revela-se importante, porque focar exclusivamente na dívida externa tem levado alguns observadores a concluírem --erroneamente-- que a dívida dos governos está diminuindo na América Latina'', disse o banco em relatório intitulado ``Vivendo com a Dívida'', de 326 páginas.Em setembro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou que muitos países latino-americanos continuavam vulneráveis a grandes variações nos preços das exportações, devido à falta de poupança e de investimentos em infra-estrutura e da dívida relativamente elevada na Argentina, no Brasil e na Bolívia, superando 50 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).A economia mundial tem seu maior crescimento em uma geração, e os juros estão baixos, fatores que incentivaram a procura por títulos de mercados emergentes, principalmente em nível local, mas também, em menor medida, em moedas estrangeiras, segundo o relatório.``No fim das contas, o nível médio da dívida pública na região atualmente é similar ao que prevalecia no começo da década de 1990'', disse o BID.A América Latina se recuperou da chamada ``década perdida'', a de 1980, com vários títulos reestruturados, os Títulos Brady, assim batizados em alusão ao ex-secretário norte-americano do Tesouro Nicholas Brady, mentor da iniciativa.Os investidores costumam avaliar os dados macroeconômicos de um país para decidir se há ou não risco de calote, mas o BID diz que isso nem sempre funciona.``Moratórias soberanas normalmente ocorrem depois que a economia de um país passou por sérios problemas e outras medidas fracassaram'', diz o relatório. ``A evidência empírica sugere que a moratória soberana não acontece quando os governos não precisam ou não prevêem a necessidade de financiar-se com credores, mas sim durante uma grave crise.''O principal risco para as economias latino-americanas é um desaquecimento nos Estados Unidos, mas o nível relativamente elevado da dívida na região também é um fator de vulnerabilidade, disse em setembro Anoop Singh, diretor do FMI para o Hemisfério Ocidental.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Na próxima quinta-feira, Consistório para a criação de novos cardeais

Na próxima quinta-feira, Consistório para a criação de novos cardeais

Papa Francisco presidirá o Consistório Ordinário Público para a criação de novos cardeais e celebrará a Eucaristia da Solenidade dos Santos Apóstolos

A partir de hoje, mulheres sauditas ganham direito de dirigir

A partir de hoje, mulheres sauditas ganham direito de dirigir

Fim da proibição foi anunciada em junho pelo rei Salman bin Abdulaziz

ONU Mulheres condena assédio promovido por brasileiros na Rússia

ONU Mulheres condena assédio promovido por brasileiros na Rússia

Para a entidade, repercussão dos fatos mostra consciência do problema

Trump ameaça sobretaxar carros europeus em 20%

Trump ameaça sobretaxar carros europeus em 20%

Ele já tinha anunciado sobretaxa de produtos chineses para os EUA