Porto Velho (RO) domingo, 29 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Aumenta contaminação da água por césio em torno de Fukushima


Renata Giraldi*
Agência Brasil

Brasília – A Tokyo Electric Power Company (Tepco), que administra a Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, no Nordeste do Japão, confirmou que foi identificada a multiplicação em 90 vezes de césio na água examinada em um poço de testes, nos últimos três dias. A empresa monitora regularmente a água em torno da usina para verificar se há substâncias radioativas e analisar os prejuízos ao meio ambiente.

As amostradas coletadas mostraram também a existência de estrôncio e mais materiais radioativos. As causas da contaminação são investigadas, pois os funcionários da Tepco não sabem informar o que provocou o aumento do césio na água.

A região de Fukushima está em alerta desde março de 2011, quando um terremoto seguido por tsunami atingiu o Japão, provocando explosões e vazamentos radioativos na área da usina. Desde então, as regiões próximas a Fukushima foram esvaziadas, há monitoramento constante dos moradores para mediar o nível de radiação e a produção agrícola também é observada de perto.

*Com informações da emissora estatal de televisão do Japão, NHK
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia