Porto Velho (RO) quarta-feira, 1 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Aumenta a radioatividade na usina nuclear no Japão


 
Da Agência Lusa

Agêncai Brasil, Brasília - O nível de radioatividade na sala de controle do reator 1 da Usina Nuclear de Fukushima é mil vezes superior ao normal. O aumento da radiação foi detectado, no sábado de manhã (hora do Japão), pela comissão de segurança da usina, localizada na Região Nordeste do Japão. A informação foi divulgada pela agência Kyodo.

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, pediu aos moradores num raio de 10 quilômetros ao redor da usina para abandonarem a área, em virtude do risco de um vazamento radioativo, noticiou a AFP, que cita a agência Jiji com informação do Ministério da Indústria.

Um terremoto de magnitude 8,8 na escala Richter, que regista a energia liberada pelo tremor, ocorreu às 14h46 (2h46 em Brasília) a uma profundidade de 24,4 quilômetros e com epicentro localizado a cerca de 100 quilômetros de Miyagi, na Região Nordeste do Japão.

O abalo, fortemente sentido em Tóquio, a cerca de 400 quilômetros do epicentro, deu origem a um tsunami que atingiu a costa japonesa com uma onda de cerca de 10 metros de altura.
 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia