Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

Atentado contra João Paulo II completa 30 anos



Agência Efe

Cidade do Vaticano, 12 mai (EFE).- O atentado contra João Paulo II completa na sexta-feira 30 anos, e segue envolvido por um mistério sobre quem estava por trás do turco Ali Agca, que disparou vários tiros contra o papa na praça São Pedro no dia 13 de maio de 1981.

O jornal "L'Osservatore Romano" diz que este atentado, junto com o assassinato de John F.Kennedy, representa o "nível mais alto" de terrorismo no século passado.

"Foram
atacados os dois principais símbolos do poder mundial: o político e o religioso. O atentado contra João Paulo II demonstra a importância atingida pelo chefe da Igreja Católica no último século", assinala o jornal.

O vespertino ressalta que na fase de máxima secularização da sociedade ocidental, a figura de João Paulo II assumiu um papel cada vez mais importante no âmbito internacional.

"O papa construiu uma figura não só pelo peso espiritual e moral, mas também pelo papel político na luta contra o comunismo", assegura o órgão de imprensa vaticano.

O jornal acrescenta que o Pontífice "sabia bem quem o queria morto" e que sempre soube que corria perigo e que o desinteresse que sempre mostrou pelas investigações está relacionado com a interpretação espiritual que dava ao episódio.

"O mistério envolvendo os mandantes do atentado, cuja solução, como escreveu em seu testamento, estava à vista de todos e a evidente intervenção milagrosa que desviou os disparos de um assassino muito hábil, carregaram o acontecimento de um forte significado espiritual, confirmado com a coincidência que esse dia era o da primeira aparição de Nossa Senhora de Fátima, cuja mensagem se referia ao comunismo", afirma o jornal.

Segundo L'Osservatore Romano, a "intervenção confirma aos cristãos uma certeza: embora as forças do mal possam ser poderosas e perigosas nunca prevalecerão".

João Paulo II sempre manteve que por um lado - a mão do turno Ali Agca, o autor do atentado - disparou e por outro - a mão de Nossa Senhora - desviou a bala e lhe salvou a vida.

O atentado aconteceu às 17h17 da tarde do dia 13 de maio de 1981, quando Karol Wojtyla realizava a audiência geral das quartas-feiras.

O terrorista Ali Agca, que se encontrava na praça, disparou quatro tiros, dos quais dois o atingiram.

Um feriu a mão esquerda, o perfurou sob o tórax, atravessou o osso no quadril e se incrustou no "papamóvel". O projétil passou a poucos milímetros da artéria aorta e passou pela espinha dorsal do papa.

O outro projétil passou de raspão no cotovelo e feriu duas mulheres.

Quando João Paulo II visitou Agca na prisão, o preso perguntou por que não ele tinha morrido se ele era um bom atirador e tinha apontado no peito.

"Porque o senhor não levou em conta à Virgem de Fátima", respondeu Karol Wojtyla.

O atentado, segundo o Vaticano, tinha sido anunciado pela Virgem de Fátima aos pastorinhos, aos que, segundo a tradição católica, apareceu em 1917 e fazia parte do chamado "Terceiro Segredo de Fátima", que também incluía a luta do comunismo contra os cristãos.

Mesmo após 30 anos, o mundo segue sem saber quem induziu o atentado, enquanto alguns afirmam que Agca foi recrutado pelos serviços secretos búlgaros, por ordem da KGB soviético. O turco, que foi detido imediatamente e condenado a prisão perpétua na Itália, fez declarações contraditórias ao longo dos anos.

Fonte: rádio Jovem Pan com informçaões da Agência EFE

 

Mais Sobre Mundo - Internacional

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisa mostra características de pessoas infiéis

Pesquisadores de universidades americanas sugerem que os potenciais infiéis têm um perfil: Apresentam níveis educacionais e financeiros acima da méd

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

O minério Niobium da Amazônia brasileira desperta cobiça internacional por ser estratégico para as indústrias

Quem pensa que o presidente francês Emmanuel Macron foi o primeiro presidente de uma potência europeia a questionar a soberania brasileira sobre a 

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Suicídio - OMS alerta para adoção de estratégias de prevenção

Dos 183 países integrantes da Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 38 pesquisados pelo organismo, entre eles o Brasil, contam com uma estratégia