Porto Velho (RO) sábado, 21 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Mundo - Internacional

África Subsariana crescerá menos neste ano


Agência O Globo JOHANNESBURGO - A África Subsaariana fechará 2006 com bons números macroeconômicos e boas perspectivas para o próximo ano, mas a pobreza continua sendo o maior entrave do continente para levantar vôo rumo ao desenvolvimento. O Fundo Monetário Internacional prevê que a região encerre o ano com crescimento de 4,8%, pouco menos que os 5,6% registrados no exercício anterior. A redução será causada pelo aumento dos preços de petróleo, que prejudicou a alguns e beneficiou outros. O FMI sustenta que, na maioria dos casos, as altas foram repassadas para os consumidores sem que a inflação tenha disparado, enquanto que para os produtores, por razões técnicas ou políticas, o avanço não foi bem aproveitado. Os oito produtores de hidrocarbonetos da África Subsaariana devem registrar crescimento de 5,6%, abaixo dos 7,8% de 2005, segundo estimativas do FMI. O esgotamento de algumas jazidas, desvio de recursos para outros setores, conflitos nas zonas onde estão as jazidas são algumas das razões que impediram os países petroleiros da região de se beneficiar da alta nos preços da commodity. Ainda assim, os 4,8% de crescimento que o FMI calcula para a região para este ano é insuficiente se compratilhado entre seus habitantes. O crescimento per capita do ano vai girar em torno de 2,8%, quase metade dos 5% necessários para alcançar a meta ingressos estabelecida nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, aprovados pela ONU. Esse número fará com que a África Subsaariana figure, mais uma vez, como a região com os menores índices de desenvolvimento humano do planeta, segundo informe anual do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O relatório indica que dos 31 países com o menor Índice de Desenvolvimento Humano, 29 são da África Subsaariana. Os demais são Iemen e Haiti. Em quase todas as regiões do mundo, mostra o PNUD, todos os países aumentaram seus níveis de desenvolvimento humano, mas "a África Subsaariana é a principal exceção". - Desde 1990, seu progresso estagnou. Em parte, por conta do retrocesso econômico mas, principalmente, pelas catastróficas repercussões da aids sobre a esperança de vida - diz o relatório. Como costuma ocorrer no continente, muitos debates foram realizados ao longo do ano para analisar como a África pode romper esta dinâmica e rumar para o desenvolvimento. Por sua vez, a Cúpula Econômica africana, realizada em junho na cidade do Cabo, reconheceu que vários fatores facilitaram o crescimento econômico da região, como a democratização, aumento do investimento estrangeiro e a pacificação das áreas de conflito. - Esse é um momento para aproveitar e estabelecer as bases estruturais que permitirão a expansão econõmica - disse, em novembro, o vice diretor-gerente do FMI, John Lipsky, ao falar sobre o momento favorável que vive a economia internacional. A África Subsaariana é o termo utilizado para descrever os países do continente africano localizados ao sul do deserto do Saara e que não fazem parte da região conhecida como África do Norte.

Mais Sobre Mundo - Internacional

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Ômicron deve infectar mais da metade da Europa em 6 a 8 meses, segundo a OMS

Mais da metade da população europeia deve ser infectada pela variante Ômicron do coronavírus nas próximas seis a oito semanas, disse nesta terça-fei

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe

Com avanço nas Américas, Delta é "altamente preocupante", diz Organização Pan-Americana de Saúde

Com avanço nas Américas, Delta é "altamente preocupante", diz Organização Pan-Americana de Saúde

A variante Delta do novo coronavírus é "altamente preocupante", à medida que a mutação tem se espalhado para quase 20 países nas Américas, disseram