Porto Velho (RO) domingo, 5 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Zoneamento de risco climático será estendido a várias culturas


Reduzir os riscos climáticos para a agricultura e, conseqüentemente, as perdas para os agricultores tornou-se uma tarefa imprescindível, que só pode ser realizada a contento quando se identificam, quantificam e mapeiam-se as áreas mais favoráveis ao plantio das culturas de sequeiro. Esse mapeamento deve levar em conta a oferta climática e, mais especificamente, a distribuição pluviométrica, a partir do regime de chuvas e do balanço hídrico (relação entre clima, solo e planta). Por isso, o zoneamento de risco climático, em vigor para o café, deve ser estendido, em 2008, às culturas de mandioca, milho, arroz e feijão.

Para cumprir esse objetivo, a Secretaria de Estado da Agricultura, Produção e do Desenvolvimento Econômico e Social (SEAPES) irá investir na atualização das 11 estações climatológicas em operação no Estado, substituindo sensores e equipamentos, e acrescentando cinco novas unidades, num investimento que deve superar os R$ 300 mil. "Este trabalho é resultado de um acordo operacional celebrado no ano passado entre esta secretaria, a SEDAM e a Emater/RO, por orientação dos técnicos do Ministério da Agricultura que estiveram em Rondônia para tratar desse assunto", explica Evaldo de Lima, chefe de gabinete da SEAPES.

As estações climatológicas captam informações sobre pressão atmosférica, precipitação, temperatura, direção e velocidade dos ventos mediante leituras ou registros contínuos. Outros, como a quantidade, a altura e o tipo de nuvens, a visibilidade a olho nu e fenômenos anômalos são identificados pelo próprio observador, o que requer profissionais bem preparados. Outros dados ainda são estimados ou derivados dos primeiros, como é o caso da temperatura do ponto de orvalho, pressão ao nível do mar.

As estações meteorológicas convencionais exigem a presença diária do observador meteorológico para coleta de dados. Um outro tipo é a estação meteorológica automática, na qual os sensores operam com princípios que permitem a emissão de sinais elétricos, captados por um sistema de aquisição de dados (Datalogger), possibilitando que o armazenamento e o processamento dos dados sejam informatizados. Apresenta como principal vantagem o registro contínuo de todos os  elementos, com saídas dos dados em intervalos que o usuário programar.

 

Ciência com simplicidade

Diferentemente de outros zoneamentos, elaborados com base nos conceitos de potencialidade e aptidão a partir das variáveis analisadas (clima, solo e planta), para o zoneamento agrícola de risco climático, além destas, também aplicam-se funções matemáticas e estatísticas para quantificar o risco de perda das lavouras com base no histórico de eventos climáticos adversos, principalmente a seca. "Apesar da metodologia científica ser relativamente complexo, os indicativos resultantes e sua aplicação prática é de fácil entendimento e adoção pelos produtores rurais, extensionistas, agentes financeiros, seguradoras e demais usuários", afirma Aníbal de Jesus Rodrigues, secretário interino da SEAPES.

Essa ferramenta é resultante do trabalho de equipe multidisciplinar de especialistas e utiliza metodologia desenvolvida por instituições federais e estaduais de pesquisa agrícola, como a Embrapa, o IAPAR, a EPAGRI/SC, o IAC/SP, fundações e universidades. O trabalho é revisado anualmente e divulgado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) em portarias publicadas no Diário Oficial da União a cada ano-safra e por Unidade da Federação, servindo de orientação para o crédito de custeio agrícola oficial, e para o enquadramento no seguro rural privado e dos programas governamentais públicos (SEAF e PROAGRO).

Na safra 2007/2008, serão editadas portarias de zoneamento agrícola para 24 culturas,  distribuídas em 19 Estados. As culturas com indicativo de zoneamento agrícola são o algodão herbáceo, ameixa, amendoim, arroz, banana, café arábica, café conilon/robusta, caju, cevada, dendê, feijão caupi, feijão phaseolus, girassol, maçã, mamona, mandioca, milho, nectarina, pêra, pêssego, soja, sorgo, trigo, uva americana, uva européia.

 
Fonte: Decom

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre