Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Sipam promove curso em MT para identificação de áreas desmatadas


  
O Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) iniciou ontem, 24 de março, na Escola de Governo, em Cuiabá (MT), um curso para identificação de áreas desmatadas. O objetivo é capacitar técnicos de vários órgãos públicos que atuam no Estado de Mato Grosso a identificar desmates mesmo durante a época de chuvas, quando os satélites ópticos orbitais não conseguem gerar imagens devido às nuvens que encobrem a região. Serão cinco dias de atividades, com aulas pela manhã e pela tarde.

O analista do Centro Técnico e Operacional do Sipam em Porto Velho (CTO/PV) Pablo Santos, que ministrará o curso em Cuiabá, explica que uma nova tendência de desmatamento tem sido verificada nos últimos anos. “Os desmates estão ocorrendo em período de chuvas, nos meses de setembro a dezembro. O motivo é que nesta época do ano a maior parte dos programas de monitoramento por satélites ópticos não consegue gerar imagens da região por causa da intensa cobertura de nuvens”, diz. Para resolver este problema e monitorar a região, a geração de imagens será feita por sensores instalados em aeronaves.

O Sipam fará sobrevôos nos municípios onde estão os maiores índices de desmatamento em Mato Grosso, gerando imagens que servirão para ações dos órgãos ambientais. “O sensor ativo (SAR/Sipam) instalado na aeronave R99-B fará as imagens. Este equipamento sofre pouca interferência das condições atmosféricas mesmo em situações adversas, como cobertura de nuvens”, explica Santos. A partir dessas imagens, os técnicos mato-grossenses identificarão onde estão ocorrendo os desmates. O curso que iniciou hoje servirá para qualificar os técnicos a fazerem as leituras destas imagens e identificar as áreas desmatadas.

Por ser um sistema diferente de monitoramento, a leitura e interpretação das imagens geradas nos sobrevôos são mais complexas. “Por isso vamos ministrar o curso em Mato Grosso e auxiliar os técnicos a fazerem a leitura das imagens”, disse o analista. O Sipam utiliza as imagens destes sensores aerotransportados em vários de seus programas de monitoramento e por isto foi convidado a ministrar o curso, auxiliando órgãos ambientais estaduais e federais.

O curso está sendo realizado nos períodos de manhã e tarde e termina na sexta-feira (28), com a presença de José Neumar Silveira, gerente do Centro Técnico Operacional (CTO) de Porto Velho, unidade do Sipam que abrange os Estados de Rondônia, Acre e Mato Grosso. Participam do curso técnicos da Secretaria Estadual de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema), universidades Estadual e Federal, Ministério Público Federal (MPF), Secretaria Estadual de Planejamento (Seplan), Intermat, Cefet, Incra, Exército e Polícia Federal.

Ascom CTO/PV

 

Mais Sobre Meio Ambiente

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE, participaram no auditório da Federação durante dois dias, da 4° etapa da implantação do programa

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

O Brasil tem 790 barragens de rejeitos de minérios, e mais de 300 delas não foram classificadas em relação ao seu risco de rompimento e ao potencial d

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Os R$ 4 milhões também servirão para elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico e o Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMais uma vitória im

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Ontem (31/01), a Fundação SOS Mata Atlântica deu início à Expedição Paraopeba, que irá percorrer 356 km deste rio, de Brumadinho à Hidroelétrica Retir