Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Reforma agrária beneficia ribeirinhos


Reconhecer os direitos das populações tradicionais é uma nova e eficaz forma de fazer a Reforma Agrária em Rondônia. No caso das 10 famílias de seringueiros da Reserva Extrativista (Resex) Barreiro das Antas, a 8 horas de barco de Guajará-Mirim, a condição de assentado garantiu acesso aos programas do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Com a criação da reserva, em 2001, além de terem a floresta protegida por lei, os seringueiros receberam do Incra benefícios que possibilitaram uma boa vida para suas companheiras e filhos. Foram R$ 7,4 mil em créditos para cada família construir ou reformar sua casa e, só em 2006, mais de R$ 69 mil do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para compra de motores, casa de farinha, abertura de estradas de seringa e piques de castanha e investimento na plantação de mandioca.


O resultado dos investimentos está na ponta da língua dos moradores. "O Incra deu muito direito para nós", diz João Ferreira Lopes, seringueiro há 40 anos e morador da Resex. "Melhorou bastante a vida, principalmente com o dinheiro que peguei agora. Na cidade não é bom, aqui já tô acostumado", confirma Sebastião Jacome Lopes.

 

Harmonia com a natureza

"Vamos preservar nossa reserva em flor. Vamos preservar nossa reserva com muito amor". Os versos de Rosanilde Ferreira de Melo, moradora do Barreiro das Antas, mostram que o respeito aos recursos naturais faz parte do dia-a-dia dessas famílias, afinal, precisam da floresta em pé para se sustentar. Como fiscais, os moradores zelam pela natureza. "Cuidamos para não entrar nenhum destruidor e se chega alguém novo, primeiro tem que ser aceito pela Associação", explica José Maria Jacome Lopes, líder comunitário.

Mas não é de agora que o seringueiro tem essa relação de harmonia com a natureza. "Todas as reservas extrativistas nasceram da luta dos seringueiros, é por isso que cada um tem seu lugar hoje", revela José Maria dos Santos, ex-seringalista, hoje funcionário do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Foi pelo desejo de ter suas "colocações" preservadas por lei que o movimento de Chico Mendes impulsionou a criação da primeira reserva extrativista, em Xapuri, no Acre. Hoje, a exemplo das outras trinta reservas federais, os moradores do Barreiro das Antas dão uma verdadeira lição ambiental, aprendida na vida. "Isso é nosso, meu irmão, nós temos que preservar", conclui a poeta Rosanilde.  

Fonte: Venessa Ibrahin - INCRA

Gente de OpiniãoSegunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

As Forças de Segurança do governo brasileiro estão em ação conjunta ao redor e dentro da Terra Indígena Yanomami para impedir atividades criminosas

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

A parceria entre o Consórcio Público Intermunicipal de Rondônia (CIMCERO) e o Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia tem incentivado junto as pre

Gente de Opinião Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)