Porto Velho (RO) quarta-feira, 1 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

PROJETO RASTREIA INLFUÊNCIA DA FLORESTA



Projeto rastreia influência da Floresta Amazônica no regime de chuvas do país 

Após quinta expedição, pesquisas sobre o transporte de umidade da Amazônia para o Sul avançam no Brasil

A experiência é inédita. Idealizado pelo casal de exploradores ambientais, Gérard e Margi Moss, o projeto Rios Voadores tenta descobrir o "DNA" das chuvas que caem sobre o país e com isso aprofundar os estudos sobre o transporte de vapor d'água da Bacia Amazônica para outras regiões do Brasil e da América do Sul. O projeto é a terceira etapa do Brasil das Águas e tem como patrocinador master a Petrobras.

Os chamados "rios voadores" são correntes de ar que carregam umidade do Norte ao Sul do Brasil. O termo tem uma explicação. A quantidade de vapor d'água, transportado por essas massas de ar, tem volume que pode ultrapassar a vazão de todos os rios do Centro-Oeste, Sul e Sudeste ou até ter a mesma ordem de grandeza da vazão do maior rio do mundo, o Amazonas (mais de 200.000 m3/s).

A pesquisa procura responder algumas questões: como o desmatamento da Amazônia afetará o clima no resto do país; de que forma essa degradação afetará as chuvas das regiões Sudeste e Sul, de maior produção de energia hidroelétrica (onde se concentra o maior PIB do país); e como essa umidade chega do norte ao sul do Brasil.

A bordo do monomotor Sertanejo, o piloto Gérard vem percorrendo várias regiões do país, realizando coletas de vapor d'água. Desde o início do projeto, em junho de 2007, já foram realizados cinco vôos. A última expedição, no início de fevereiro, foi um verdadeiro sucesso. O objetivo foi alcançado com êxito, ao percorrer, pela primeira vez, a mesma trajetória de uma massa de ar específica, ou seja, um "rio voador", graças a orientações meteorológicas do INPE/CPTEC.

Saindo de Belém (PA), o vôo passou por Santarém (PA), Manicoré (AM), Porto Velho (RO), Vilhena (RO), Cuiabá (MT), Campo Grande (MS) e finalmente chegou ao Estado de São Paulo. De acordo com Gérard, o caminho percorrido pode comprovar cientificamente uma das principais hipóteses do projeto: a umidade que sai da Amazônia se espalha pelo resto do Brasil e é responsável por boa parte das chuvas da metade sulina do país.

As amostras estão sendo analisadas no Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA) em Piracicaba. O coordenador científico da expedição é o professor Enéas Salati, diretor técnico da FBDS, conhecido internacionalmente por seu trabalho com técnicas isotópicas na Amazônia. Segundo ele, ainda existem dúvidas a respeito de qual seria o valor exato da contribuição da Amazônia para o regime de chuvas das regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste. "O projeto tem entre outros objetivos tentar quantificar com mais precisão esses valores", explica Salati.

A idéia do piloto Gérard Moss, que também é engenheiro mecânico e empresário, é fazer um vôo de coleta de amostras por mês até a conclusão do projeto, no final do ano. Para isso, o avião dispõe de um equipamento que capta o ar ambiente. Esse ar é logo direcionado a um tubo de vidro que é resfriado para condensar a umidade numa gotinha de água. A análise posterior do fracionamento isotópico (O18 e deutérios) dessa água procura definir a procedência da massa de ar amostrada.

Entre outros objetivos, o projeto também tenta aproximar a população dos centros urbanos das grandes questões que envolvem a Amazônia e alertá-la sobre a importância do uso racional dos recursos naturais. Além disso, Rios Voadores procura revelar para o grande público uma importante fonte dos recursos hídricos brasileiros.

A expedição Rios Voadores é uma extensão do projeto Brasil das Águas que, desde 2003, tem como patrocinador master, a Petrobras, dentro do Programa Petrobras Ambiental. Conta também com a parceria da Agência Nacional de Águas, BR Aviation e Chubb Seguros, entre outras empresas e instituições. Para mais informações acesse o site: www.riosvoadores.com.br.

Fonte: Rios Voadores (foto: CHUVA.Bela-nuvem-bela-chuvaFoto-Margi-Moss)

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre