Porto Velho (RO) sexta-feira, 3 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Principal desafio no MMA vai continuar sendo a Amazônia, avalia instituto



Ana Luiza Zenker
Agência Brasil

Brasília - A Amazônia deve continuar sendo um dos maiores desafios para a pasta do Meio Ambiente que terá Carlos Minc - atualmente secretário do Ambiente do Rio de Janeiro - como ministro. Na opinião do pesquisador do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), Adalberto Veríssimo, apesar de ser respeitado como defensor do meio ambiente e da sustentabilidade e de ter feito um bom trabalho no estado do Rio de Janeiro, Minc não está envolvido ou pelo menos acompanhando de perto a questão amazônica, o que pode dificultar o seu trabalho.

“Ele vai pegar o tema da Amazônia, que é um desafio enorme e em que a ministra Marina [Silva], que era uma pessoa da região e tinha todo o lastro de apoio, teve dificuldade, então eu imagino que vai ser uma gestão muito desafiadora para Carlos Minc”, afirmou Veríssimo, em entrevista à Agência Brasil.

No entanto, mais do que o nome de quem vai assumir o Ministério do Meio Ambiente (MMA) no lugar de Marina Silva, que pediu demissão ontem (13), Adalberto Veríssimo acredita que o desafio será o de colocar a Amazônia e o meio ambiente, de forma geral, como uma prioridade dentro do governo federal.

“Esse é o desafio do Carlos Minc: tornar esse desafio prioridade para o presidente Lula [Luiz Inácio Lula da Silva], para o núcleo duro do governo, que realmente entenda que a Amazônia precisa encontrar uma solução econômica, uma maneira de desenvolver uma economia com base na floresta, que seja o contraponto ao desmatamento crescente que a região vem enfrentando”, disse.

O pesquisador acredita que, assim como Marina, Carlos Minc também deve encontrar muita resistência dentro do governo para conseguir resolver o problema do desmatamento e do crescimento sustentável da Região Norte do país. “Se ele realmente assumir a bandeira que se espera, de forma veemente, vai encontrar muita resistência, do Ministério da Agricultura, da Casa Civil, do Ministério de Minas e Energia”, argumentou Veríssimo.

“Vamos torcer para que Minc consiga esse apoio político, a ministra saiu porque não o estava encontrando, e que ele consiga montar uma equipe dentro do ministério de gente que conhece a Amazônia, que sabe lidar com a Amazônia, o que também não vai ser fácil, porque muita gente, que estava na equipe da Marina, está saindo”, disse o pesquisador.

 

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre