Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Pesquisa com espécies não-madeireiras da Amazônia é discutida em Seminário



A Embrapa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, implantou, em 2005, o Projeto Kamukaia, que visa gerar conhecimentos sobre espécies de valor econômico na Região Norte, com base em ações de pesquisa em ecologia, manejo e monitoramento para recomendar práticas de manejo sustentável que possam fortalecer a economia de produtos florestais não-madeireiros – PFNM - e técnicas de monitoramento da sustentabilidade ecológica, além de promover o intercâmbio de informações mediante uma rede de conhecimento formada por instituições governamentais e não-governamentais atuantes na Amazônia.

Essas ações de pesquisa serão mostradas no Seminário do Projeto Kamukaia – Manejo Sustentável de Produtos Florestais Não-Madeireiros na Amazônia, que acontece na quarta-feira, 26, a partir das 8h, no Teatro Hélio Melo, em Rio Branco/AC.

Preocupada com esta realidade, a Embrapa Rondônia realiza pesquisas com espécies não-madeireiras e integra uma rede de pesquisa sobre PFNM, da qual também participam a Embrapa Acre, Embrapa Amapá, Embrapa Amazônia Oriental e a Embrapa Roraima, e inclui a execução do projeto Manejo Sustentável de Produtos Florestais Não Madeireiros na Amazônia. O nome do Projeto, Kamukaia, foi escolhido por significar, na linguagem indígena, Wapexama “produtos da floresta”.

O potencial dos recursos naturais de Rondônia é muito grande, salienta a pesquisadora da Embrapa Rondônia, Michelliny Bentes-Gama. Embora o aproveitamento de alguns recursos já esteja sedimentado, tal como a madeira, ainda há a necessidade de pesquisas a fim de promover o desenvolvimento de novos mercados e solucionar entraves que impedem o uso racional da madeira e produtos florestais não-madeireiros.

Em Rondônia, a castanha-do-brasil, copaíba, cipó titica e o babaçu foram as espécies estudadas. Os resultados alcançados com a pesquisa em relação à regeneração natural de copaíba e a ecologia do cipó titica serão alguns dos temas abordados pelos pesquisadores Abadio Hermes Vieira e Michelliny Bentes-Gama durante as palestras do Seminário. Os experimentos do Projeto Kamukaia, em Rondônia, foram conduzidos nos Campos Experimentais da Embrapa em Machadinho do Oeste e em Porto Velho.

Outros resultados alcançados pela Rede Kamukaia, liderada pela Embrapa Acre, em parceria com as demais Unidades da Empresa na região Norte, foram a criação de uma base de dados sobre experiências e referências bibliográficas de espécies não madeireiras, testes de metodologias para o estudo ecológico e o manejo de espécies florestais não-madeireiras e diversas publicações científicas em revistas especializadas e na Série Embrapa, bem como monografias e dissertações de mestrado.

Fonte: Embrapa Rondônia

Mais Sobre Meio Ambiente

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE, participaram no auditório da Federação durante dois dias, da 4° etapa da implantação do programa

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

O Brasil tem 790 barragens de rejeitos de minérios, e mais de 300 delas não foram classificadas em relação ao seu risco de rompimento e ao potencial d

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Os R$ 4 milhões também servirão para elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico e o Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMais uma vitória im

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Ontem (31/01), a Fundação SOS Mata Atlântica deu início à Expedição Paraopeba, que irá percorrer 356 km deste rio, de Brumadinho à Hidroelétrica Retir