Porto Velho (RO) domingo, 29 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Pará reconhece avanço da pecuária sobre florestas


Luana Lourenço
Agência Brasil


Brasília - O avanço da soja e da cana-de-açúcar no centro-sul do país tem “empurrado” a pecuária para a região Norte. A avaliação foi feita hoje (24) pelo secretário estadual de Meio Ambiente do Pará, Valmir Ortega, ao comentar os números divulgados ontem (23) pelo Ministério do Meio Ambiente, que apontam o estado como o segundo na lista de desmatamento, atrás apenas de Mato Grosso.

O Pará concentra 12 dos 36 municípios identificados como prioritários para ações de prevenção e controle do desmatamento. Ortega classificou os números do MMA como “bastante preocupantes”, mas reconheceu que, depois de três anos de queda nos índices de desmatamento, o estado identificou a tendência de crescimento a partir de outubro do ano passado.

“Percebemos uma mudança na dinâmica do processo. Em geral, os últimos meses do ano eram de baixo desmatamento justamente porque a questão climática criava constrangimento para isso, por causa da chuva e da dificuldade de deslocamento, mas em [2007] percebemos um número bastante significativo [de derrubadas] nesses meses”, apontou.

O secretário, no entanto, admite que mais que os fatores climáticos, a valorização das commodities agrícolas e a expansão da pecuária no sudeste do estado foram determinantes para o aumento do desflorestamento na região.

“No caso do Pará é claramente a pecuária. Nessa região sudeste do estado, onde estão os municípios com maiores índices de desmatamento, praticamente não existe soja. Mas a ampliação da soja e da cana de açúcar no centro-sul do país estimula um redirecionamento da pecuária para o Norte. A pecuária vem sendo empurrada para a parte de cima da floresta”, reconheceu.

O governo paraense pretende concluir, em breve, um “plano de desmatamento”, que estabelecerá a coordenação de autoridades ambientais e órgãos de fiscalização no combate à destruição da floresta. As eleições municipais, segundo Ortega, também são um fator de preocupação na elaboração das políticas públicas. Historicamente, o desmatamento aumenta em anos eleitorais, de acordo com dados do estado.

“Num ano como esse, onde há uma mobilização política muito grande por conta do processo eleitoral, processos que criem ou gerem conflitos são sempre mais difíceis de se implementar; mas estamos firmes no sentido de criar condições para enfrentar o desmatamento independente do processo eleitoral”, afirmou.

O estado ainda não tem dados consolidados da apreensão de madeira em 2007 para verificar se a fiscalização acompanhou o aumento da devastação. Segundo Ortega, além das dificuldades de controle das fronteiras, grande parte do desmate no estado é feito por meio de queimadas. Em 2007, o estado registrou 40 mil focos de incêndios. “Boa parte da área desmatada não está diretamente vinculada à exploração da madeira”, avaliou.

 

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre