Porto Velho (RO) segunda-feira, 6 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Pará é o próximo estado a ser beneficiado por concessão florestal



O Serviço Florestal lançou nesta quinta-feira (3) o pré-edital de licitação do 2° lote de concessão florestal. A floresta pública a ser licitada encontra-se na Floresta Nacional Saracá-Taquera, que compreende os municípios de Faro, Oriximiná e Terra Santa, oeste do estado do Pará, entre os rios Trombetas e Nhamundá. O lote abrange quatro unidades de manejo florestal com total de 215 mil hectares.

Na semana de 14 a 18 de julho serão realizadas audiências e consultas públicas nos municípios onde se encontra a Flona Saracá-Taquera, com o objetivo de ouvir a população e os setores ligados à área que será manejada sobre os critérios que vão definir a melhor proposta de concessão florestal.

Serão três audiências públicas, marcadas para 15 de julho, em Terra Santa, dia 16 de julho, em Faro, e para o dia 18 de julho, em Oriximiná. Os três municípios possuem áreas dentro do lote de concessão. Nos encontros, as populações vizinhas à Flona Saracá-Taquera poderão conhecer o texto da minuta do edital e se manifestar sobre seu conteúdo.

Haverá ainda reuniões técnicas para apresentar e debater o conteúdo do pré-edital com representantes da sociedade civil, órgãos governamentais e especialistas ligados à área ambiental, empresarial e trabalhista. Essas reuniões acontecerão dia 14 julho, em Porto de Trombetas, no dia 15 de julho, em Santarém, e 17 de julho, em Belém.

Saracá-Taquera - A Floresta Nacional de Saracá-Taquera é uma unidade de conservação de uso direto. Possui oficialmente 429.600 ha e um grande potencial de recursos naturais renováveis (madeira, castanha-do-pará e outros produtos não-madeiráveis), além de minérios (bauxita) e importância ecológica significativa.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade é o responsável pela gestão da área da Flona. O Serviço Florestal Brasileiro será o responsável pela gestão do lote submetido à concessão florestal.

Direito das Populações Tradicionais - A Lei de Gestão de Florestas públicas (11.284/2006) foi elaborada tendo como um de seus princípios básicos o respeito ao direito das populações tradicionais.

Além disso, em uma área de concessão, caso existam produtos que sejam tradicionalmente explorados pelas comunidades do entorno, o direito de coleta destes produtos continua sendo assegurado. Neste caso, o ganhador da concessão deve garantir o acesso da população à área para que essa continue exercendo suas atividades. Em contrapartida, as comunidades devem seguir as regras de acesso à área, em especial aquelas relacionadas à segurança do trabalhador.

No contrato de concessão são especificados os produtos de uso da comunidade local que são excluídos da lista de produtos que o concessionário pode explorar ou que têm restrições especiais de uso

No caso da Flona Saracá-Taquera, o palmito, o fruto do açaí e a castanha-do-pará são de uso exclusivo das populações locais e concessionário não poderá explorá-los. Já o óleo de copaíba, semente e óleo de andiroba, resina de breu, cipó titica e látex da seringueira só poderão ser exploradas pelo concessionário mediante prévia autorização do Serviço Florestal que avaliará a compatibilidade do uso comercial com o uso tradicional da comunidade.

Área das unidades de manejo - Na Flona Saracá-Taquera as unidades de manejo foram divididas da seguinte forma: uma unidade de manejo pequena com 19,7 mil hectares, duas médias, uma de 25,5 mil ha, outra de 33,4 mil ha, e uma grande de 137 mil ha.

As áreas onde estão as comunidades locais, assim como as áreas indígenas, são excluídas dos lotes de concessão.


Regras do edital - A Lei de Gestão de Florestas Públicas traz uma inovação: toda licitação deve levar em conta os critérios "preço x técnica" para a escolha da melhor proposta; sendo que a técnica que inclui aspectos sociais e ambientais e deve, sempre, ter peso maior do que o preço. Segundo o edital, o critério preço possui o valor máximo de 400 pontos, já  para o critério de técnica a pontuação máxima é de 600 pontos.

Tais critérios técnicos são divididos em quatro temas: (i) maior benefício social; (ii) menor impacto ambiental; (iii) maior eficiência; e (iv) maior agregação de valor local. Eles servirão para eliminar, classificar ou bonificar as propostas.

Arrecadação - Uma parcela de até 30% do montante que for arrecadado com a licitação será, segundo previsto na lei, destinada na fiscalização, monitoramento e controle das áreas licitadas. O restante, pelo menos 70%, será dividido entre o Instituto Chico Mendes - o gestor da unidade -, o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal, o estado do Pará e os municípios onde se localizam as áreas manejadas. Esses recursos compartilhados deverão, obrigatoriamente, ser aplicados em ações de conservação e uso sustentável das florestas.

Fiscalização e monitoramento - Durante a execução do manejo da área licitada, o concessionário será fiscalizado pelo Ibama e pelo Serviço Florestal Brasileiro. Além de ser obrigatória uma auditoria independente, a ser realizada pelo menos uma vez a cada três anos por entidade previamente credenciada pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial).

Para o monitoramento, o Serviço Florestal se utilizará, entre outras ferramentas, do Sistema de Detecção de Exploração Seletiva (Detex), que permite detectar a exploração florestal por sensoreamento remoto, como o sistema de rastreamento de veículos por satélite e o controle de origem de produtos florestais.

Manejo florestal sustentável x desmatamento - Uma das mais importantes inovação da Lei de Gestão de Florestas Públicas é a valorização do manejo florestal sustentável - modelo de conservação e desenvolvimento, por meio do qual a própria floresta gera sua conservação. Trata-se de uma atividade oposta ao desmatamento.

No desmatamento, a floresta é totalmente retirada para que a terra tenha outra finalidade. Já no manejo florestal sustentável, só é retirada da floresta uma quantidade de produtos que não prejudiquem sua recuperação (em geral, cinco a seis árvores - das mais de 500 presentes em um hectare de floresta - a cada 30 anos).

Podem ser explorados, além da madeira, frutos, sementes, resinas, óleos, serviços, etc. Isso é sustentabilidade, mais conhecida como a "economia da floresta", que gera a renda que garante que a floresta continue existindo e prestando os serviços essenciais à vida no planeta, como regulação do clima, lazer, fornecimento de alimentos e produtos medicinais.

Fonte: Serviço Florestal Brasileiro

 

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre