Porto Velho (RO) terça-feira, 7 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Para CNA, apreensão de bois na Amazônia lembra uma 'comédia ambiental'



Danilo Macedo
Agência Brasil


Brasília - O presidente da Comissão Nacional de Meio Ambiente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Assuero Doca Veronez, afirmou que o ministro Carlos Minc está criando um problema administrativo e político ao governo com a apreensão de bovinos da Amazônia. Segundo ele, a medida adotada lembra uma “ópera bufa” ou “comédia ambiental”.

No início do mês foram apreendidas 3,1 mil cabeças de gado em uma fazenda localizada dentro de uma estação ecológica na Terra do Meio, na região próxima ao município de São Félix do Xingu (PA). Nesta semana, o ministro do Meio Ambiente detalhou a operação e disse que o “boi pirata”, como ele denomina os animais localizados em áreas irregulares, seriam transformados em "churrasquinho do Fome Zero".

“Apreender boi não é apreender madeira. Esses bens apreendidos, com aparência de ilegalidade, costumam ser alvo de questionamentos na Justiça, por parte dos proprietários. Como vai fazer no caso do boi? Precisa de manejo sanitário, pasto, alguém que cuide do bezerro. Quem vai fazer isso?”, indagou Veronez.

Segundo ele, o Código Florestal Brasileiro, de 1953, é “velho” e “obsoleto”, e apresenta uma “discrepância enorme com o Brasil real”. Ele afirmou que, se o código for efetivamente aplicado, 80% da plantação de café no sul de Minas Gerais, maior região produtora do país, estaria irregular. Por isso, pediu cautela nas decisões do Ministério do Meio Ambiente, como a apreensão do “boi pirata”.

“Eu desaconselharia a adoção dessa medida com a mesma veemência que o Minc a defende”, afirmou o representante dos produtores rurais.

O presidente da comissão também considera tímida a decisão do governo de destinar cerca de R$ 1 bilhão, por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para a recuperação de áreas degradadas. A medida de estímulo a essa prática está no Plano Agrícola e Pecuário 2008/09, que será anunciado no próximo dia 2, em Curitiba.

“Se o governo quer mesmo recuperar a região, tem que ter uma política mais ousada”, disse Veronez. Ele defendeu uma taxa de juros, para esse tipo de empréstimo, de 3% a 4%, em vez dos 5,5% que serão ofertados pelo governo. Além disso, ressaltou a necessidade de subsídios para o frete de adubo e calcário aos produtores.

Veronez participou hoje (26) do seminário internacional Agri Benchmark Beef Conference, na sede da CNA.

 

Mais Sobre Meio Ambiente

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

A Prefeitura de Ji-Paraná, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia), encerrou nesta segunda feira (06), as atividades no lixão munic

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto