Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Padre Ton pede debate sobre o comércio de crédito de carbono em áreas indígenas


Um debate sobre a necessidade de regulamentação do comércio de crédito de carbono em terras indígenas foi proposto pelo deputado federal Padre Ton (PT-RO) à Comissão da Amazônia, Integração Nacional e Desenvolvimento Regional. Ele apresentou requerimento, que ainda será votado, para realização de uma audiência pública.

A preocupação do deputado é com a ausência de regulação para este tipo de atividade comercial, praticada, sobretudo, por empresas estrangeiras. “É preciso preservar a soberania e o interesse nacional no tocante aos serviços ambientais gerados por nossos ecossistemas. E sem um controle sobre o comércio do crédito de carbono, como ocorre hoje, os interesses nacionais estão ameaçados”, considera Padre Ton.

Na semana passada, o jornal “O Estado de São Paulo”, JB e a Agência Brasil divulgaram a informação de que pelo menos 30 contratos entre etnias indígenas e empresas internacionais estão permitindo a exploração de direitos sobre créditos de carbono, obtidos a partir da preservação da floresta. Uma delas são os Suruí, de Rondônia.

“O próprio presidente da Funai, Márcio Meira, declarou que estes contratos não têm validade jurídica. O crédito de carbono colocado a venda não tem validade alguma. Então, a responsabilidade do Congresso Nacional é grande. É preciso urgente se debruçar sobre a questão da regulamentação”, diz o deputado.

O JB noticiou que um desses acordos, firmados entre a empresa irlandesa Celestial Verde Ventures (CGV) e a etnia Mundurucu (PA), por 120 milhões de dólares, concede o direito da empresa negociar no mercado internacional, durante 30 anos, os créditos de carbono obtidos a partir da preservação de uma área de 2,381 milhões de hectares.

“O grave é a empresa ter acesso irrestrito à região, com todo direito de obter os benefícios da biodiversidade local, e para que os índios possam fazer qualquer atividade, como plantar ou construir moradia, têm de ter autorização da Celestial Verde Ventures”, alerta Padre Ton.

Os contratos com as etnias indígenas são firmados sem acompanhamento da Funai ou de qualquer outro órgão governamental. A própria CGV divulga em seu site que detém os direitos de crédito de carbono em dezessete áreas de projetos diferentes na região amazônica do Brasil.

Fonte: Mara Paraguassu

Mais Sobre Meio Ambiente

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE, participaram no auditório da Federação durante dois dias, da 4° etapa da implantação do programa

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

O Brasil tem 790 barragens de rejeitos de minérios, e mais de 300 delas não foram classificadas em relação ao seu risco de rompimento e ao potencial d

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Os R$ 4 milhões também servirão para elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico e o Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMais uma vitória im

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Ontem (31/01), a Fundação SOS Mata Atlântica deu início à Expedição Paraopeba, que irá percorrer 356 km deste rio, de Brumadinho à Hidroelétrica Retir