Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

OS RISCOS DA NAVEGAÇÃO NO VERÃO AMAZÔNICO...


 

OS RISCOS DA NAVEGAÇÃO NO VERÃO AMAZÔNICO... - Gente de Opinião

Um dos maiores problemas enfrentado pelos empresários do setor de transportes fluviais em Rondônia é a falta de condições de embarque e desembarque do porto do Cai n'Água as do Rio Madeira, em Porto Velho.  Se no verão a situação é crítica, no inverno, quando ocorrem as constantes chuvas torrenciais, as escadarias feitas no próprio solo (barro) ficam lisas e escorregadias. Com a erosão, chegam a quebrar alguns degraus, derrubando passageiros e estivadores, responsáveis pelo desembarque de cargas, reclamam de forma unânime os empresários do setor e os passageiros.
Na verdade, o cais do porto do Cain’Água, em se tratando de portal de entrada de turistas brasileiros (que demandam do amazonas para Rondônia), é uma vergonha embarcar e desembarcar, os passageiros enfrentam uma aventura e fazem peripécias para não escorregarem no caudaloso Madeira, como acontecia nos tempos em que aportavam aqui navios da estirpe de um Lobo D’Almada, Lauro Sodré e Augusto Montenegro. 
Nesta época do ano caem sessenta sessenta por cento (60%) as vendas de passagens. O desaquecimento, no entanto, é considerado normal pelos empresários do setor, levando-se em consideração que o incremento das viagens acontece, anualmente, nas férias da maioria das pessoas – assim entendido o período que vai de novembro a março.  Mas, os empresários afirmam que a seca dos rios amazônicos, sobretudo o Madeira, contribui para a queda das vendas de passagens.

OS RISCOS DA NAVEGAÇÃO NO VERÃO AMAZÔNICO... - Gente de Opinião 


Outra dificuldade que contribui para o desaquecimento do setor é o período das queimadas, pois a fumaça dificulta imensamente a visibilidade, inviabilizando um maior fluxo de viagens, principalmente entre Porto Velho e Manaus.  Como a seca propicia o aparecimento de bancos de areia e a fumaça dificulta a visibilidade de, há o risco de acidentes comuns, como o encalhamento de embarcações, muito comum nos rios amazônicos.

OS RISCOS DA NAVEGAÇÃO NO VERÃO AMAZÔNICO... - Gente de Opinião

De acordo com os empresários, nos meses de novembro a março as vendas de passagens, normalmente, aumentam em até mais de cem por cento (100%), porque o período das férias coincidem com a cheia dos rios amazônicos, principalmente o Madeira, o que propicia melhores condições de navegabilidade. Mesmo porque, as embarcações trafegam com mais desenvoltura e, assim, a viagem, além de segura, se torna mais rápida.
"No período das férias, a procura é tão grande que, às vezes, há casos de passageiros que ficam no porto sem poder viajar por falta de vagas", observa "Fofão", um antigo agente de vendas que, têm constatado que, quando a concorrência de barcos é grande, os preços das passagens caem em até 20%. "É o caso da oferta e da procura, mas não existe concorrência desleal", garantem.
Fonte:  Gentedeopinião


Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

Você sabe o que são os famosos créditos de carbono? E como eles funcionam, você sabe? Na série especial “Carbono: desafios e oportunidades” recebemos

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

O Grupo de Pesquisa de Recuperação de Ecossistemas e Produção Florestal, coordenado pelas Dra. Kenia Michele de Quadros e Dra. Karen Janones da Roch

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pau-de-balsa é uma espécie florestal nativa da Amazônia e já é utilizada de forma artesanal na Colômbia para extração de ouro.Agora, cinco instituiçõ

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Neste ano em que completa 35 anos, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) comemora o impacto do trabalho

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)