Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

ONG: Fim de crédito público para quem desmata Amazônia


Hugo Costa
Agência Brasil


Brasília - O principal mecanismo para frear a degradação da Amazônia é minimizar o crédito para atividades que praticam desmatamento nos estados da região. Quem afirma é o Instituto do Homem e do Meio Ambiente na Amazônia (Imazon).

Para o pesquisador Adalberto Veríssimo, da organização não-governamental (ONG), as ações emergenciais do governo são importantes, mas é necessário estabelecer um pacto nacional para sanar o problema. "O instrumento mais importante para diminuir o desmatamento é realmente fechar a torneira do crédito dos bancos públicos para o setor que desmata na Amazônia", afirma, em entrevista à Agência Brasil.

Segundo ele, ao contrário do que dizem os pecuaristas, as atividades ligadas à criação de gado são as principais responsáveis pelo aumento da área desmatada: "A pecuária é a grande atividade da Amazônia. Tanto em área, quanto economicamente. No caso de estados como o Mato Grosso, a maior parte do desmatamento está em municípios tipicamente pecuaristas".

Outros aspectos apontados por Veríssimo são o aumento da produção de soja devido à crescente demanda internacional, a estiagem e a proximidade das eleições, período em que ele diz haver crescimento no número de assentamentos e menor rigor na fiscalização.

Sobre as medidas anunciadas ontem (16) pelo ministério do Meio Ambiente, apesar de considerar que a conjuntura atual dificulta as ações, o pesquisador elogia a postura do governo. "É importante reconhecer que o Ministério do Meio Ambiente tem feito um esforço louvável. Vamos ver os efeito que as ações emergenciais vão ter no curto prazo", comenta.

O Imazon, associado a outras oito ONGs, propôs no início do mês, na Câmara dos Deputados, o estabelecimento de um pacto para zerar os níveis de desmatamento até 2015. O Ministério do Meio Ambiente e os governadores de Mato Grosso e do Amapá manifestaram apoio à iniciativa. Adalberto Veríssimo diz que espera o apoio de outros estados para debater conjunto de medidas. "Precisamos da adesão dos governadores para discutir melhor as propostas do pacto."

Mais Sobre Meio Ambiente

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

A Prefeitura de Ji-Paraná, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia), encerrou nesta segunda feira (06), as atividades no lixão munic

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto