Quarta-feira, 29 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

OAB: lei das florestas públicas beneficia madeireiras internacionais


Os dirigentes da Seccional Rondônia da OAB, que iniciaram as atividades de 2008, fazendo um alerta à sociedade para os riscos de internacionalização da Amazônia por meio de financiamentos de empresas transnacionais, fez ontem um segundo apelo a todos os setores do movimento social, no sentido de cobrarem ao governo e dos representantes políticos da região maiores esclarecimentos sobre os reais objetivos da lei 11.284, que entrou em vigor recentemente, e muda todo o sistema de gestão das florestas públicas.

O presidente da OAB considera a lei inconstitucional, na medida em que prevê a concessão de manejo para empresas privadas mediante licitação e pagamento, com dispensa de Estudos de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (Rima), e se constitui em um retrocesso no campo da proteção ambiental, pois irá beneficiar as grandes madeireiras internacionais.

O mais grave, segundo o presidente da entidade, advogado Hélio Vieira da Costa, é o fato dessa lei permitir a concessão de importantes áreas agregadas ao setor produtivo para exploração em até 60 anos, inclusive a empresas que não possuem domicílio no Brasil, o que representa uma forma de internacionalização disfarçada da Região.

Com vigência somente para a região Amazônica e na tentativa de definir um modelo de desenvolvimento econômico, a medida ignora as florestas nacionais já demarcadas e beneficiará apenas as grandes madeireiras transnacionais, além de funcionar como uma estratégia de governo para desviar o foco do epicentro da discussão da internacionalização.

As florestas nacionais somam cerca de 19 milhões de hectares e nunca puderam ser liberadas em forma de concessão por motivo de regularização fundiária e por falta de planos de manejo. Mas pela nova legislação, essas áreas poderão se transformar em concessões para projetos de manejo de longo prazo.

De acordo ainda com Hélio Vieira, a questão ambiental no Brasil está intimamente ligada ao crônico problema da reforma agrária, e a lei de gestão de florestas públicas, equivocadamente, é parte de uma opção política de governo que maneja de forma empresarial o processo de licitações, concessões e contratos com o setor privado. “A lei, além de representar um retrocesso do ponto de vista ambiental, agride a soberania nacional”, alerta. 

Fonte: OAB-RO



Gente de OpiniãoQuarta-feira, 29 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Investimento de R$ 180 milhões deixa Porto Velho ambientalmente correta e preparada para o futuro

Investimento de R$ 180 milhões deixa Porto Velho ambientalmente correta e preparada para o futuro

Porto Velho não ganha somente a coleta e a destinação correta dos resíduos sólidos com a chegada da EcoRondônia, empresa que operacionaliza os serviço

Conheça histórias de pessoas que transformaram suas vidas a partir da integração entre produção rural e conservação ambiental

Conheça histórias de pessoas que transformaram suas vidas a partir da integração entre produção rural e conservação ambiental

Solos exauridos, nascentes sem água e baixa produtividade são desafios enfrentados por diversos produtores rurais em todo o país. Diante deste cenár

Lançamento: Guia de Primatas destaca avanços científicos e culturais em Rondônia

Lançamento: Guia de Primatas destaca avanços científicos e culturais em Rondônia

Neste sábado (11), a partir das 19h, acontecerá o lançamento dos guias Primatas do Povo Paiter Suruí e Primatas do Estado de Rondônia. Os guias inéd

Empresário de Miami lança plataforma para reflorestar a Amazônia e convida o mundo a participar

Empresário de Miami lança plataforma para reflorestar a Amazônia e convida o mundo a participar

Augustin T. O'Brien Caceres, empresário de sucesso, e entusiasta da preservação ambiental, está transformando seu empreendimento em um movimento glo

Gente de Opinião Quarta-feira, 29 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)