Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

OAB: lei das florestas públicas beneficia madeireiras internacionais


Os dirigentes da Seccional Rondônia da OAB, que iniciaram as atividades de 2008, fazendo um alerta à sociedade para os riscos de internacionalização da Amazônia por meio de financiamentos de empresas transnacionais, fez ontem um segundo apelo a todos os setores do movimento social, no sentido de cobrarem ao governo e dos representantes políticos da região maiores esclarecimentos sobre os reais objetivos da lei 11.284, que entrou em vigor recentemente, e muda todo o sistema de gestão das florestas públicas.

O presidente da OAB considera a lei inconstitucional, na medida em que prevê a concessão de manejo para empresas privadas mediante licitação e pagamento, com dispensa de Estudos de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (Rima), e se constitui em um retrocesso no campo da proteção ambiental, pois irá beneficiar as grandes madeireiras internacionais.

O mais grave, segundo o presidente da entidade, advogado Hélio Vieira da Costa, é o fato dessa lei permitir a concessão de importantes áreas agregadas ao setor produtivo para exploração em até 60 anos, inclusive a empresas que não possuem domicílio no Brasil, o que representa uma forma de internacionalização disfarçada da Região.

Com vigência somente para a região Amazônica e na tentativa de definir um modelo de desenvolvimento econômico, a medida ignora as florestas nacionais já demarcadas e beneficiará apenas as grandes madeireiras transnacionais, além de funcionar como uma estratégia de governo para desviar o foco do epicentro da discussão da internacionalização.

As florestas nacionais somam cerca de 19 milhões de hectares e nunca puderam ser liberadas em forma de concessão por motivo de regularização fundiária e por falta de planos de manejo. Mas pela nova legislação, essas áreas poderão se transformar em concessões para projetos de manejo de longo prazo.

De acordo ainda com Hélio Vieira, a questão ambiental no Brasil está intimamente ligada ao crônico problema da reforma agrária, e a lei de gestão de florestas públicas, equivocadamente, é parte de uma opção política de governo que maneja de forma empresarial o processo de licitações, concessões e contratos com o setor privado. “A lei, além de representar um retrocesso do ponto de vista ambiental, agride a soberania nacional”, alerta. 

Fonte: OAB-RO



Mais Sobre Meio Ambiente

ANA disponibiliza nova plataforma de dados abertos sobre recursos hídricos

ANA disponibiliza nova plataforma de dados abertos sobre recursos hídricos

Integrada ao Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos (SNIRH), a plataforma da Agência Nacional de Águas oferece dados e informações so

MP pede interdição de “lixões” em Rondônia

Ministério Público pede à Justiça para interdição dos “lixões”de Costa Marques e do Distrito de São Domingos do Guaporé

Experiências ao redor do mundo apontam caminhos para redução do lixo

Experiências ao redor do mundo apontam caminhos para redução do lixo

A preservação ambiental é uma questão global, mas que ganha materialidade nas cidades. É nelas que os impactos se revelam mais nitidamente como, por e

Sedam expõe na ALE sobre programa de recursos hídricos

          O presidente da Comissão de Meio Ambiente (CMA) da Assembleia Legislativa, deputado Jean Oliveira (MDB) recebeu na tarde desta quarta-feira