Porto Velho (RO) domingo, 5 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Minério em terra indígena, enfim o debate. É quente


Minério em terra indígena, enfim o debate. É quente - Gente de Opinião
Bel Mesquita quer ouvir experiências de êxito /M.CRUZ
MONTEZUMA CRUZ
BRASÍLIA – Comissão Especial Sobre Mineração em Terra Indígena para quê? Foi esta a maior indagação lançada nesta quarta-feira, em tom de protesto, por parlamentares e entidades de defesa da causa indígena, na audiência pública que discutiu o tema. Para o relator do projeto que trata da mineração em terras indígenas (PL 1610/96), deputado Eduardo Valverde (PT-RO), é mais produtiva a discussão do Estatuto dos Povos Indígenas. Ele questiona: "Como aproveitar os recursos do subsolo sem atingir a cultura e os interesses das comunidades indígenas? Além disso, há também os interesses da Nação brasileira no seu desenvolvimento econômico. Como conciliar todos os interesses?". 

Nesta quinta-feira, às 15 horas, o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT), receberá lideranças indígenas que irão lhe reivindicar a retomada do estatuto. Os participantes respiraram aliviados. A audiência anterior, na semana passada, fora cancelada por causa da ausência das entidades. Agora, Valverde propõe "retirar o estatuto da gaveta", visando principalmente conciliar posições antagônicas nos conflitos sobre a atividade mineral em terras indígenas. 

A deputada Bel Mesquita (PMDB-PA) questionou a concepção sobre o índio brasileiro e até que ponto de desenvolvimento o índio quer chegar. Ela também considera que as riquezas do subsolo são da Nação, algo essencial para o desenvolvimento do País. "Como fazer para que os povos indígenas não sejam prejudicados? Devemos ouvir todos os interessados no assunto e descobrir quais experiências tiveram êxito tanto para os indígenas como para as atividades econômicas", sugeriu.
 
Minério em terra indígena, enfim o debate. É quente - Gente de Opinião
Chico Apurinã (à esquerda) ouve o protesto de Paulo Guimarães, do Cimi: estatuto está parado há 13 anos /DIÓGENIS SANTOS
Queixas do Cimi
Enérgico, o assessor jurídico do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Paulo Machado Guimarães, indagou qual a razão para se discutir em uma comissão especial o PL 1610/96, que trata do tema e não se tratar da aprovação do Estatuto dos Povos Indígenas, parado na Câmara há 13 anos. "Os povos indígenas aqui presentes reclamam isso", afirmou.
Alguns deputados se entreolharam. O problema atravessa três legislaturas e nem todos assumem a sua parte na culpa. Segundo o advogado, algumas comunidades indígenas apóiam a regulamentação da atividade econômica em suas terras, até mesmo porque o estatuto está parado. "No entanto, a maioria aqui presente se mostrou contrária à proposta", advertiu. 

"Delicado demais"

A deputada Perpétua Almeida (PCdoB) considera estranha a criação de uma comissão especial para discutir o tema, isoladamente da aprovação do estatuto e sem que haja uma proposta unitária dos envolvidos. "Deveríamos chamar aqui quem defende a exploração, as mineradoras, para conhecer suas posições com clareza. E depois fazer uma nova rodada para ouvir as posições das comunidades indígenas", sugeriu.
Minério em terra indígena, enfim o debate. É quente - Gente de Opinião
Perpétua também lembra a paralisação do estatuto indígena e rechaça comissão especial /MARCOS JORGE

Quem conhece o jeito da deputada acreana já interpreta que a sugestão ganha o tom de exigência ou convocação.Perpétua acredita que não há embasamento suficiente sobre o tema para que o Parlamento tome uma decisão. "Não devemos ter pressa em fechar nenhum relatório, porque esse assunto é delicado demais".
A deputada Dalva Figueiredo (PT-AP) pediu cautela cautela sobre o assunto para fazer essa discussão em conjunto com a aprovação do estatuto. O deputado João Almeida (PSDB-BA) também amenizou o debate ao lembrar que a sociedade já discute essa exploração. "O importante é saber todos os pontos de vista para tomar uma decisão. Devemos ser capazes de encontrar uma solução para o problema", ponderou.
 

 Fonte: Montezuma Cruz - Agênciaamazônia é parceira do Gentedeopinião

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre