Porto Velho (RO) terça-feira, 18 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Luta contra desmatamento precisa de responsabilização efetiva, diz pesquisador


Charles Nisz - Amazonia.org.br

Informações do governo federal indicam crescimento de 107% no desmatamento em Mato Grosso, entre junho e setembro deste ano, comparado ao mesmo período do ano anterior.  Em Rondônia, o índice é de 53% e, no Acre, de 3%.

Já o Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD), elaborado regularmente pelas organizações não-governamentais Imazon e Instituto Centro de Vida (ICV), mostra que o corte em Mato Grosso subiu pelo quarto mês consecutivo: 262 quilômetros quadrados, 147% a mais do que agosto de 2006.

Frente aos números, o Plano de Combate ao Desmatamento da Amazônia, que passa atualmente por revisão para divulgação em 2008, foi desmembrado em três momentos.  O primeiro, de curtíssimo prazo, prevê ações de comando e controle ainda neste ano, especialmente no Pará, em Mato Grosso e Rondônia.

Procurado pela reportagem, o Ministério do Meio Ambiente não se pronunciou para detalhar quais seriam as ações e estratégias a serem adotadas.

Duas frentes principais do Plano de Combate ao Desmatamento, lançado há três anos, tiveram resultados positivos.  A primeira foram as ações de comando e controle, que desarticularam quadrilhas especializadas em grilagem e exploração ilegal da madeira.  Outra foi a criação de unidades de conservação em áreas que sofrem grande pressão de grileiros e madeireiros, como a Terra do Meio, no Pará.

Fatores
Especialistas e ambientalistas dizem ser relativo o sucesso dessas medidas.  O lançamento do plano coincidiu com uma queda no preço das commodities, especialmente a soja, e com uma rejeição estrangeira ao gado brasileiro por causa da febre aftosa.

Para Paulo Barreto, do Imazon, uma das estratégias para resolver o problema seria uma responsabilzação efetiva do desmatamento.  "Não adianta ter muitas multas não arrecadadas.  Faz mais sentido focar no recebimento das multas mais altas e inibir práticas predatórias" explicou.

Barreto endossa a relação entre o aumento do desmatamento e a subida dos preços da soja e do gado.  "Entre 2004 e 2006, a soja caiu 46% e o preço do gado se desvalorizou em 18%".  Segundo o pesquisador, há estudos comprovando a ligação do aumento da pecuária na Amazônia com o desmatamento: 80% da área desmatada acaba servindo para pasto, finalizou.

O governo, que negava a influência econômica, agora assume seu papel na dinâmica da retomada do desmatamento em 2007.  Para o Ministério do Meio Ambiente, o aumento dos preços das commodities é um dos motivos que transformaram este em um ano complicado - além da seca prolongada observada na região Norte, que estende o período propício para o corte e a queimada das árvores.

Mais Sobre Meio Ambiente

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

O Sistema Cantareira, que abastece parte da capital paulista e da Região Metropolitana, estava com quase 60% da capacidade um ano antes da crise de 20

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Agentes reguladores estão avaliando a medida provisória

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Um grupo de 30 crianças da Fundação JiCred plantou mudas de ipê e flamboyant no Parque Ecológico Municipal. A ação foi realizada pelo Sistema Cooperat