Porto Velho (RO) sexta-feira, 21 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Ibama e PF interditam 9 madeireiras e bloqueiam mais de 23 em Rondônia


Folha Online

A operação Arco de Fogo, da Polícia Federal e do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), realizada em Machadinho D'Oeste, nordeste de Rondônia, a 150 km da capital Porto Velho, terminou nesta semana com nove madeireiras interditadas e 23 bloqueadas por suspeita de serem empresas fantasmas.

Segundo informações do Ibama, todas as madeireiras do município foram fiscalizadas (32 no total), sendo 100% delas autuadas por comercializar, ou por ter em depósito, madeira sem origem legal.

Desde a última terça-feira (22), a operação Arco de Fogo está sendo realizada também em Cujubim, município vizinho. Até o momento, os fiscais do Ibama e policiais federais realizam análise documental das empresas da cidade.

Os fiscais aplicaram 97 autos de infração, que corresponde a R$ 15 milhões em multas. Foram apreendidos ainda 3 mil m3 de madeira em tora e serrada, o suficiente para encher 130 caminhões.

Ao analisarem a documentação das empresas, os agentes descobriram que outros 3 mil metros cúbicos foram comercializados sem autorização. Nove madeireiras foram paralisadas por falta de licenciamento, e por não comprovarem a origem dos estoques de madeira. As máquinas foram lacradas. Toda a madeira apreendida foi recolhida pelas prefeituras de Ariquemes e Machadinho D'Oeste.

Desmatamento

A operação Arco de Fogo identificou ainda pontos de devastação em áreas de preservação permanente. Dois fazendeiros foram multados, em R$ 49 mil e R$ 245 mil, sendo um deles proprietário de uma das madeireiras lacradas pela operação.

Fantasmas

Das 55 empresas madeireiras cadastradas pelo Ibama na região, 23 estavam inativas, constaram os fiscais. Segundo informações da equipe responsável, algumas madeireiras estão inativas há anos. Outras nunca existiram no local indicado pelo sistema. No lugar de antigas serrarias foram encontradas empresas de outros ramos comerciais. Contudo, a operação apurou que essas serrarias movimentam mais de mil metros cúbicos de madeira por mês.

Nenhum responsável foi localizado, o que reforça as suspeitas da PF e do Ibama de que as serrarias são ilegais ou existem como fachada para comercializar madeira ilegal. Os fiscais pediram o cancelamento de registro dessas madeireiras junto a Superintendência do Ibama em Rondônia.

Para o coordenador dos trabalhos do Ibama na Arco de Fogo, Wilson Cardoso, as infrações encontradas não se limitam ao campo ambiental. "Associados ao crime ambiental, vêm os ilícitos trabalhistas. Encontramos condições de trabalho subumanas", afirmou.

Mais Sobre Meio Ambiente

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

O Sistema Cantareira, que abastece parte da capital paulista e da Região Metropolitana, estava com quase 60% da capacidade um ano antes da crise de 20

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Agentes reguladores estão avaliando a medida provisória

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Um grupo de 30 crianças da Fundação JiCred plantou mudas de ipê e flamboyant no Parque Ecológico Municipal. A ação foi realizada pelo Sistema Cooperat