Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

FLONA DO JAMARI: Edital licitação é adiado para dia 14


Previsto para hoje (30), o lançamento do edital de licitação para concessões de exploração sustentável na Floresta Nacional (Flona) do Jamari, em Rondônia, foi adiado para o próximo dia 14.
“Recebemos um grande número de sugestões durante a consulta pública. Com o adiamento, ganharemos mais tempo para a revisão do edital e para incorporar estas contribuições”, explicou em nota o diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), Tasso Azevedo. A consulta pública foi encerrada na última sexta-feira (26).
Este tipo de licitação é inédito no país e a Flona do Jamari será a primeira ofertada. De seus 220 mil hectares, cerca de 40% serão manejados – o restante deverá ter uso comunitário, conservação integral e mineração, de acordo com as normas do plano aprovado em 2005 pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).
Segundo a nota do diretor, o adiamento também proporcionará "novas oportunidades para que os interessados participem do debate", em reuniões técnicas previstas para os dias 7 a 9 de novembro nas cidades de Porto Velho, Cujubim e Itapuã do Oeste, em Rondônia.
Nas licitações, a seleção das empresas levará em conta quatro critérios estabelecidos pela Lei de Gestão de Florestas Públicas (Lei 11.284, de 2006): maior benefício social, menor impacto ambiental, maior eficiência e maior agregação de valor local. Para a avaliação de cada um dos critérios, vários indicadores estão sendo criados. O esboço dos critérios, colocado em consulta pública, já trazia 34 deles.
A nota destaca ainda a importância da prorrogação para os concorrentes do setor empresarial, “especialmente os de menor porte”, e para que os movimentos sociais possam "debater melhor as salvaguardas de proteção das populações tradicionais”.
A área de manejo da Flona do Jamari, com aproximadamente 90 mil hectares, será repartida e com licitações em separado, para atender a grandes, médios e pequenos empreendedores. Quem vencer deverá conservar a área e poderá explorar produtos florestais como madeira, óleos, sementes e resinas, contanto que use técnicas de manejo sustentável. O vencedor poderá ainda oferecer serviços como ecoturismo e esporte de aventura.
O Brasil tem cerca de 1 milhão de hectares de florestas públicas, o que corresponde aproximadamente à metade do território do estado de Sergipe, e a maior parte dessa área (92%) fica na Amazônia. A estimativa do Plano Anual de Outorga Florestal é de que a produção de toras e resíduos nas florestas gere R$ 120 milhões por ano e 8,6 mil empregos.
Reunida na semana passada, a Comissão de Gestão de Florestas Públicas também apresentou sugestões ao Serviço Florestal, como o aumento, no edital, da lista de produtos não madeireiros exclusivos do manejo comunitário. Na minuta do edital constam apenas o açaí e a castanha-do-pará.
Os membros da comissão também defendem a possibilidade de criação de parcerias entre as populações locais e o concessionário. Para José Rubens Gomes, um dos representantes da sociedade civil na comissão, isso “poderá gerar negócios, inclusão econômica e social dessas famílias”.
A exploração da floresta prevê pagamento pelo uso dos recursos naturais e manejo sustentável. Dos valores arrecadados, 30% irão para a fiscalização e monitoramento do processo e outros 70%, para o Instituto Chico Mendes, o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal, o estado e o município onde esteja localizada a área licitada.
Alessandra Bastos
Agência Brasil

Gente de OpiniãoSegunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Neste ano em que completa 35 anos, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) comemora o impacto do trabalho

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

As Forças de Segurança do governo brasileiro estão em ação conjunta ao redor e dentro da Terra Indígena Yanomami para impedir atividades criminosas

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

A parceria entre o Consórcio Público Intermunicipal de Rondônia (CIMCERO) e o Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia tem incentivado junto as pre

Gente de Opinião Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)