Porto Velho (RO) sexta-feira, 3 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Estiagem intensa prejudica agricultura em RO


  
A falta de chuva em alguns pontos do Estado completa 140 dias. Grande parte das culturas locais já sofre com a falta de umidade no solo e as altas temperaturas.

Daniel Panobianco – A forte massa de ar seco e quente que cobre boa parte do Brasil tem dificultado a ocorrência de chuva no sul da Região Norte e boa parte do Centro-Oeste e Nordeste desde o final de maio. Em Rondônia, alguns municípios registraram precipitação nos últimos dias, mas outros estão sem ver água caindo do céu há pelo menos 140 dias. É o caso do interior dos municípios de Campo Novo de Rondônia, Buritis, Governador Jorge Teixeira, Nova Mamoré e Guajará-Mirim, que embora tenham tido alguma instabilidade passageira, em tese, o acúmulo de água não foi suficiente para retomar a umidade no solo.

Segundo o AGRITEMPO, programa de monitoramento agrícola entre Embrapa e INMET (Instituto Nacional de Meteorologia), os valores de umidade no solo em Rondônia são preocupantes. No extremo oeste do município de Buritis, não há 1 milímetro sequer de água no solo até 1 metro de profundidade. A situação é critica também nas regiões de Ji-Paraná, Espigão d' Oeste e São Miguel do Guaporé, que acumulam entre 5 e 10 mm de umidade no solo.

As culturas perenes já estão atrasadas em Rondônia. O inicio da estação chuvosa, que normalmente começa na segunda quinzena de setembro, ainda não deu às caras. A crise na pecuária é notória. Além da falta de gado para o abate, mais um motivo preocupa a classe produtiva. A seca intensa. Muitas pastagens estão à pura palha. O forte calor, com temperaturas até 4°C acima da média em julho e agosto, queimou o ralo broto que surgiu e com isso, a perda de peso do gado é inevitável.

Ainda segundo o boletim semanal elaborado pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), a estiagem agrícola nessas regiões de Rondônia varia entre 70 e 120 dias, com picos de até 140 dias sem nenhuma gota d' água. Na região de Cacoal, a florada do café foi baixa esse ano, o que deve comprometer a próxima safra. No Cone Sul, os agricultores esperam as primeiras chuvas para iniciar os trabalhos do plantio da soja, que já deveriam ter começado.

Direta ou indiretamente, as condições do tempo mexem com a vida de todos e o preço de uma anomalia climática, como chuva ou seca em excesso, é sempre a população que paga mais caro na aquisição dos produtos.

Ainda não há previsão de chuva significativa para Rondônia nos próximos 15 dias, segundo o INMET.

Dados: AGRITEMPO – INMET – MAPA
Fonte: De olho no tempo

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre