Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

ESTADÃO: Amazônia pode acabar em 40 anos


Impacto global de integração de infra-estrutura teria sido mal-avaliado
Ian Sample
Um grupo preservacionista alertou, no início desta semana, que a Amazônia corre risco de sofrer danos sem precedentes em decorrência de um ambicioso projeto para melhorar a infra-estrutura de transportes, comunicações e energia na região. Os projetos de desenvolvimento foram elaborados para fomentar elos comerciais entre dez pólos econômicos no continente, mas ameaçam trazer ampla destruição para a maior floresta tropical do mundo, segundo a ONG Conservação Internacional (CI).
Planos para melhorar o transporte rodoviário e fluvial combinados à construção de barragens e à instalação de um extenso cabeamento para transmissão de energia elétrica e para comunicações abrirão trechos antes inacessíveis da floresta tropical, elevando risco de um desmatamento generalizado. Em último caso, pode levar à perda de toda a floresta amazônica em 40 anos, afirma a entidade.
Tim Killeen, um cientista que trabalha para a CI, analisou os projetos da Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura Regional da América do Sul, financiados por vários governos. Ele concluiu que o impacto isolado de cada obra sobre o ambiente foi bem avaliado, mas o do conjunto das obras não foi devidamente considerado. Parte das melhorias planejadas envolverá rodovias dos Andes, atravessando o Rio Amazonas e o cerrado, ligando o Pacífico ao Atlântico.
“A falha em prever o impacto total dos investimentos, particularmente no contexto de mudança climática e mercados globais, produzirá uma combinação de forças que poderá levar a uma tempestade perfeita de destruição ambiental”, denuncia Killeen.
Conselhos
Por isso, a CI conclama os governos que estão respaldando o projeto a assumir mais responsabilidade pelo impacto ecológico das obras.
Se os países amazônicos concordassem em reduzir o desmatamento em 5% ao ano durante três décadas, a floresta salva iria, potencialmente, qualificar-se como forma de redução das emissões de gases de efeito estufa e gerar mais de R$ 11 bilhões ao ano, calcula Killeen.
Já a plantação de cana-de-açúcar para geração de biocombustível poderia ser feita nos 65 milhões de hectares de terra que já foram desmatados na região, afirma.
Fonte: O Estado de S.Paulo

Gente de OpiniãoSegunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Neste ano em que completa 35 anos, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) comemora o impacto do trabalho

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

As Forças de Segurança do governo brasileiro estão em ação conjunta ao redor e dentro da Terra Indígena Yanomami para impedir atividades criminosas

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

A parceria entre o Consórcio Público Intermunicipal de Rondônia (CIMCERO) e o Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia tem incentivado junto as pre

Gente de Opinião Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)