Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Enchente, a hora e a vez do baixo Amazonas


A Crítica
FLORÊNCIO MESQUITA

Os municípios do baixo Amazonas devem sofrer os impactos mais severos da maior cheia da história registrada no rio Madeira e que já atingiu Humaitá (a 600 quilômetros de Manaus). A estimativa é do Subcomando de Ações de Proteção e Defesa Civil do Amazonas (Subcomadec). A cheia do rio Madeira desabrigou mais de 16 mil famílias em território amazonense. Atualmente o Amazonas tem um município (Humaitá) em estado de calamidade pública e 13 em emergência. Tapauá foi o último a integrar a lista das cidades em emergência no Estado.

O impacto da elevação das águas no rio Amazonas será grande, segundo o Subcomadec, porque o rio Madeira está correndo mais rápido e com maior força, uma vez que, igarapés e lagos que poderiam dissipar a vazão das águas estão inundados e se uniram ao rio. “O Madeira está passando direto sem nada que funcione como obstáculo para fazer ele perder força e o Baixo Amazonas vai receber toda essa água”, disse o titular do Subcomando, Roberto Rocha.

De acordo com os estudos realizados pela equipe de monitoramento do Subcomadec, os municípios de Parintins, Itacoatiara, Nova Olinda do Norte, Novo Aripuanã e Borba serão os mais afetados. Para Roberto Rocha, as prefeituras dos municípios precisam se preparar com antecedência para minimizar as consequências que serão causadas pelo rio Madeira. Ele lembra que, apesar do Estado atender as emergências e prestar socorro com a Defesa Civil, a primeira resposta é das prefeituras.

O nível recorde da cheia do rio Madeira, em Humaitá, foi de 24,22 metros em 1997 e este ano chegou a 25,25 metros. Ele deveria começar a baixar no início de abril, no município, mas a previsão é que ele continue subindo.

Parintins (a 325 quilômetros da capital) está em situação de atenção e passará para de situação de alertaporque o rio Amazonas está subindo rápido e só para de encher em junho. “Ele ainda tem três meses para encher o que é preocupante”, diz Rocha. Ainda não tem como dizer se a cheia nos municípios do Baixo Amazonas será semelhante a de 2009, mas a Defesa Civil alerta que a população da região se prepare para uma cheia com danos semelhantes. Em 2009, a cheia dividiu Parintins em duas e desabrigou aproximadamente três mil famílias.

O porto da ilha ficou debaixo d’água e a Cidade Garantido foi inundada ameaçando, inclusive, a realização do festival folclórico. Os artistas do boi vermelho precisaram finalizar as alegorias para o festival na praça dos Bois.

Outras calhas

Na calha do rio Juruá, que apresentou estabilidade esta semana, o município que mais preocupa é Eirunepé que está em situação de alerta e deve entrar em situação de emergência. Ele recebe água da do rio Taraucá, que vem do Acre, e do rio Juruá, que tem a cabeceira mais alta. Guajará, Ipixuna e Envira estão estabilizados. No Purus, Boca do Acre, Lábrea, Pauini e Canutama estão em emergência.

Mais Sobre Meio Ambiente

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE, participaram no auditório da Federação durante dois dias, da 4° etapa da implantação do programa

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

O Brasil tem 790 barragens de rejeitos de minérios, e mais de 300 delas não foram classificadas em relação ao seu risco de rompimento e ao potencial d

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Os R$ 4 milhões também servirão para elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico e o Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMais uma vitória im

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Ontem (31/01), a Fundação SOS Mata Atlântica deu início à Expedição Paraopeba, que irá percorrer 356 km deste rio, de Brumadinho à Hidroelétrica Retir