Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Defeso do Tambaqui começa na segunda-feira


Começa na próxima segunda-feira (01/10) o período do defeso da pesca comercial do tambaqui, quando a espécie entra no período de reprodução. O defeso que proíbe a pesca é determinado pela Instrução Normativa nº. 35, de 29 de setembro de 2005, do Ministério do Meio Ambiente.

De acordo com a legislação, fica proibido até o dia 31de março do ano que vem a pesca, o transporte, a armazenagem, o beneficiamento e a comercialização do tambaqui (Colossoma macropomum) na bacia hidrográfica do rio Amazonas, incluindo o rio principal, seus formadores, afluentes, lagos, lagoas marginais, reservatórios e demais coleções de água, abrangendo os estados do Amazonas, Pará e Amapá.

Para quem trabalha com o tambaqui e precisa comercializar a espécie durante o período do Defeso, o Ibama no Amazonas alerta para que entreguem até o dia primeiro de outubro as Declarações de Estoques para conferencia e registro de saldo. As declarações, acompanhadas das Guias de Transporte e Comercialização de Pescado, são os documentos necessários para que possam ser feitas as operações de beneficiamento, venda e exportação de tambaqui na região. No primeiro ano do Defeso do tambaqui, foram declaradas 120 toneladas do produto em estoque no início de outubro. Em 2006 o estoque inicial do pescado subiu para 142 toneladas. Nesse ano, o Núcleo de Recursos Pesqueiros do Ibama acredita que esse número pode passar de 170 toneladas.

A Instrução Normativa deixa de fora da proibição os peixes criados em cativeiro, que poderão ser comercializados, desde que o criador esteja devidamente registrado no órgão ambiental e os peixes acobertados por documentação de origem, o que evita confundir os peixes de cativeiro com os pescados na natureza. A pesca científica também ficou de fora da proibição, mas apenas se for feita por pesquisadores autorizados pelo Ibama, de acordo com suas autorizações. A pesca proveniente dos manejos de lagos autorizados pelo Ibama poderão ser liberadas, com monitoramento do instituto.
A fiscalização do Ibama promete rigidez no acompanhamento da proteção da desova do tambaqui.

De acordo com o Superintendente do Ibama no Amazonas, Henrique Pereira, o defeso é um instrumento que tem mostrado bons resultados na melhoria dos estoques pesqueiros, o que a médio prazo, pode gerar mais disponibilidade do pescado para o consumo humano sem que os estoques naturais da espécie sofram riscos de redução total.

Vale ressaltar para quem desrespeitar as proibições, que a Lei 9.605 de 1998 e o Decreto 3.179 de 1999 prevêem penalidades que vão desde a apreensão de todo o pescado ilegal, dos instrumentos utilizados no crime como malhadeiras, botes, barcos e carros, embargo de empresas e multas que vão de 700 a 100.000 reais pela infração, acrescida de 10 reais por quilo de pescado ilegal. Tudo isso sem contar com o processo criminal que o infrator responderá no Ministério Público.

Fonte: Ibama

Gente de OpiniãoSegunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

As Forças de Segurança do governo brasileiro estão em ação conjunta ao redor e dentro da Terra Indígena Yanomami para impedir atividades criminosas

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

A parceria entre o Consórcio Público Intermunicipal de Rondônia (CIMCERO) e o Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia tem incentivado junto as pre

Gente de Opinião Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)