Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Conselho Monetário corta o crédito para quem desmata


Por Redação do Greenpeace

Até 2006, aproximadamente 17% da floresta amazônica foi destruída. As altas taxas de desmatamento estão provocando uma redução acelerada da biodiversidade local, o que afeta diretamente a vida de milhões de pessoas que dependem da floresta para sobreviver.

Manaus (AM), Brasil — Resolução define que dinheiro de bancos públicos ou privados para a safra de 2008/2009 nos municípios da Amazônia só poderá ser concedido obedecendo-se critérios ambientais. 

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou nesta quinta-feira uma medida fundamental para o sucesso do combate ao desmatamento e às atividades predatórias e ilegais na Amazônia.

Resolução do CMN define que todo o crédito rural, de bancos públicos ou privados, para a safra 2008/2009 nos 550 municípios do Bioma Amazônia terá que obedecer a critérios ambientais – licença ambiental do imóvel rural, respeito à reserva legal e a comprovação de que a fazenda tem Certificado de Cadastro do Imóvel Rural (CCIR) válido.

O Greenpeace vem defendendo há anos o condicionamento do crédito agrícola a critérios ambientais. Em 2006, durante audiência com o presidente Lula e as ministras Dilma Rousseff (Gabinete Civil) e Marina Silva (Meio Ambiente), o Greenpeace e as organizações que integram o Grupo de Trabalho de Florestas do Fórum Brasileiro de Organizações e Movimentos Sociais (FBOMS), pediram que o CMN e o Banco Central – que capitaneam o sistema financeiro brasileiro, regulamentassem a questão.

Nosso argumento era simples: sem controle do crédito público e privado, a luta contra o desmatamento fica torta – um ministério de parcos recursos (o MMA) enfrentando o desmatamento, enquanto seus irmãos ricos, como Agricultura, Transporte, Minas e Energia, além de bancos como Banco do Brasil, BNDES e Basa, estimulando com enormes somas de recursos as atividades que provocam a destruição dos recursos florestais.

A decisão do CMN dá substância ao decreto assinado por Lula e Marina em dezembro passado, contendo um pacote de medidas destinadas a enfrentar o desmatamento na Amazônia, que voltou a aumentar no segundo semestre de 2007 depois de três anos de queda.

O Ministério do Meio Ambiente da ministra Marina Silva finalmente ganhou uma arma de grosso calibre no combate à destruição da Amazônia.

Fonte: Envolverde/Greenpeace  - Crédito da imagem: Daniel Beltra/Greenpeace

Mais Sobre Meio Ambiente

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

A Prefeitura de Ji-Paraná, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia), encerrou nesta segunda feira (06), as atividades no lixão munic

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto