Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Brasil lança fundo voluntário para preservar Amazônia


Luana Lourenço - Enviada especial - Agência Brasil

Bali (Indonésia) - Juntar R$ 1 bilhão em contribuições voluntárias para investir na redução de desmatamento no Brasil é a idéia base do Fundo de Proteção e Conservação da Amazônia Brasileira anunciado hoje (12), em Bali, em um evento organizado pela delegação brasileira durante a Conferência das Partes sobre o Clima (COP-13). O fundo será lançado oficialmente no primeiro trimestre de 2008.

O fundo é uma versão em escala nacional da proposta defendida pelo Brasil desde a COP-12 em Nairóbi (Quênia), mas que não vem conseguindo muito apoio nas negociações internacionais, no âmbito das Nações Unidas, sobre redução de emissões por desmatamento.

Com um mecanismo simples, de acordo com o diretor do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), Tasso Azevedo, o fundo pretende atrair investimentos de governos, inclusive internacionais, empresas e até doações de pessoas físicas para redução dos índices de desmatamento da Amazônia.

"A expectativa é captar, já na abertura, uns US$ 150 milhões [cerca de R$ 265 milhões]. Estamos conversando com empresas, bancos, companhias aéreas e do setor energético, que já demonstraram interesse em contribuir", adiantou. O governo da Noruega, presente no evento brasileiro, foi o primeiro a confirmar a contribuição, mas ainda não há valores definidos.

A capacidade de investimento do fundo será calculada com base no histórico de queda do desmatamento nos últimos anos, que será revisada periodicamente. Ou seja, o país só vai receber os investimentos se continuar comprovando as reduções.

Nos primeiros quatro anos, a referência será de 1,95 milhão de hectares por ano, média da área desmatada na última década. Esse limite servirá de linha de comparação para calcular o quanto as reduções anuais do desmate valerão em termos de compensação financeira. Em 2006, por exemplo, a área desmatada foi de 1,4 milhão de hectares, abaixo da referência. Com a diferença entre esses números, calcula-se a quantidade de carbono que deixou de ser emitido e quanto o Brasil vai receber por isso.

Quem contribuir com o fundo, receberá uma espécie de diploma para comprovar o investimento. "Cada US$ 5 vai contabilizar a redução de uma tonelada de carbono", detalhou Azevedo. Entretanto, os eventuais países desenvolvidos colaboradores do fundo não poderão utilizar a redução que financiaram como forma de abatimento de suas metas obrigatórias de redução de emissões de gases de efeito estufa.

Antes do lançamento oficial, o governo precisa aprovar um projeto de lei para criar o fundo - que será discutido com parlamentares e tramitará em regime de urgência constitucional no Congresso - e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que gerenciará os recursos, vai analisar os detalhes de funcionamento do mecanismo.

Até 2011, a compensação deverá ser estendida a outros biomas brasileiros que também sofrem com o desmatamento, como a Mata Atlântica e o Cerrado. De acordo com o diretor do SFB, para esses casos, a tecnolgia de monitoramento e o cálculo das emissões de carbono ainda está sendo
 

Gente de OpiniãoSegunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

Megaoperação destrói infraestrutura criminosa na Terra Indígena Yanomami

As Forças de Segurança do governo brasileiro estão em ação conjunta ao redor e dentro da Terra Indígena Yanomami para impedir atividades criminosas

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

Projeto do CIMCERO e TJ-RO amplia estrutura para beneficiar viveiros em Rondônia

A parceria entre o Consórcio Público Intermunicipal de Rondônia (CIMCERO) e o Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia tem incentivado junto as pre

Gente de Opinião Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)