Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Amazônia no palco das discussões em Conferência


Hoje foi o grande dia para a Amazônia na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. Pelo menos para nós da Rede WWF.

Lançamos o relatório Os ciclos viciosos da Amazônia: estiagem e queimadas na floresta estufa, que revela as conseqüências dramáticas para o clima global e local bem como o impacto na vida das pessoas que moram na região Amazônica.

Em uma coletiva de imprensa com cerca de cem jornalistas, o cientista responsável pelo estudo, Daniel Nepstad, do Woods Hole Research Centre em Massachusetts (EUA), a analista em Mudanças Climáticas do WWF-Brasil, Karen Suassuna, e o diretor do Programa Global de Mudanças Climáticas da Rede WWF, Hans Verolme, explicaram o estudo e responderam às perguntas dos profissionais da imprensa.

Basicamente o relatório fala que o desmatamento, causado pela extração predatória de madeira e expansão da fronteira agropecuária, quando aliado às mudanças climáticas previstas para a região, podem destruir a Amazônia ou pelo menos prejudicar gravemente a cobertura vegetal de até 60% da floresta até o ano de 2030.

O mais interessante é que todas as reuniões ocorrem ao mesmo tempo. Enquanto os negociadores tratam das questões sobre a Conferência, há lançamentos de relatórios, como o da rede WWF, eventos paralelos sobre assuntos específicos como Mecanismos de Desenvolvimento Limpo ou transferência de tecnologia.

O território da ONU aqui em Bali é muito espalhado e tem um hotel, o Grand Hyatt, como estrutura principal para as negociações. Para chegar onde ocorrem os eventos paralelos é preciso pegar uma bicicleta ou um ônibus. O sistema de transporte dentro da ONU é gratuito, mas leva-se muito tempo para chegar de um lugar ao outro.

Dessa maneira, acompanhar tudo torna-se muito difícil, por isso a Rede WWF se reúne duas vezes por dia para nivelar informações sobre os temas e as negociações. A equipe de comunicação se reúne depois das reuniões técnicas para decidir o quê será comunicado e qual a melhor forma de fazê-lo.

Temos trabalhado muito. Normalmente consigo dormir apenas quatro ou cinco horas por noite, pois no Brasil são 10 horas a menos e temos muitas informações para trocar com o escritório em Brasília. Espero que o trabalho valha a pena!

Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

Você sabe o que são os famosos créditos de carbono? E como eles funcionam, você sabe? Na série especial “Carbono: desafios e oportunidades” recebemos

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

O Grupo de Pesquisa de Recuperação de Ecossistemas e Produção Florestal, coordenado pelas Dra. Kenia Michele de Quadros e Dra. Karen Janones da Roch

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pau-de-balsa é uma espécie florestal nativa da Amazônia e já é utilizada de forma artesanal na Colômbia para extração de ouro.Agora, cinco instituiçõ

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Neste ano em que completa 35 anos, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) comemora o impacto do trabalho

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)