Porto Velho (RO) terça-feira, 25 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Amazônia bate recorde em trabalho escravo no País


Por Chico Araújo, da Agência Amazônia 

Câmara quer aumentar de cinco para dez anos de reclusão, mais multa, a pena desse tipo de crime.

BRASÍLIA — A Câmara vota hoje projeto que aumenta a pena para a prática do trabalho escravo, um dos crimes mais degradantes do Brasil atual. A norma eleva a pena de cinco a dez anos de reclusão, mais multa. Atualmente, a pena para esse crime varia de dois a oito anos de reclusão e multa. O projeto será discutido e votado pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público.

A Amazônia é o lugar onde há mais casos. Só no Pará o grupo de fiscalização móvel do Ministério do Trabalho e Emprego encontrou ano passado 1.947 pessoas em condições de escravidão. Em todo o País os fiscais libertaram, com a ajuda da Polícia Federal, 5.877 pessoas em condições degradantes — é a maior quantidade de trabalhadores resgatados em 12 anos de criação do grupo. O Mato Grosso do Sul foi o segundo colocado em trabalho escravo, com 1.634 casos. Em 2006, foram 3.414 pessoas libertadas.

De 1995 a 2007 o grupo já libertou 27.645 trabalhadores. Além disso, 27.101 empregados tiveram sua carteira de trabalho assinada sob força da ação fiscal. As ações resultaram ainda no pagamento de mais de R$ 38 milhões em indenizações, num total de 621 ações realizadas e mais de 18 mil autos de infração lavrados. “Tivemos um ano conturbado, mas conseguimos o mínimo de eficiência”, ressaltou a secretária nacional de Inspeção do Trabalho, Ruth Vilela.

Novidades do projeto

O projeto em discussão na Câmara traz algumas novidades. Oriundo do Senado, o texto, além de aumentar as penas, torna mais clara a definição de trabalho escravo. A partir de sua aprovação, será considerado trabalho escravo a sujeição do trabalhador por meio de fraude, violência, ameaça ou qualquer tipo de coação.

Outra novidade que o texto traz é a possibilidade do aumento da pena. Por exemplo, a condenação poderá ser aumentada de 1/6 a 1/3 se o autor cometer o crime contra menor, idoso ou gestante, ou se retiver salário e documentos do trabalhador.

A proposta prevê também penas para quem recruta, alicia ou transporta trabalhadores para locais onde eles venham a ser submetidos à condição escrava.

O empregador condenado por trabalho escravo também ficará proibido de receber benefícios ou incentivos fiscais do poder público. Além disso, todos os bens dele e do aliciador ou transportador serão leiloados, e o dinheiro será revertido para os cofres da União, que o destinará, preferencialmente, ao aparelhamento da fiscalização do trabalho. O deputado Vicentino (PT-SP) é favorável à aprovação do projeto, mas propôs ajustes no texto por meio de um substitutivo.

Crédito de imagem: /SciELO -  (Envolverde/Agência Amazônia)

Mais Sobre Meio Ambiente

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

O Sistema Cantareira, que abastece parte da capital paulista e da Região Metropolitana, estava com quase 60% da capacidade um ano antes da crise de 20

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Agentes reguladores estão avaliando a medida provisória

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Um grupo de 30 crianças da Fundação JiCred plantou mudas de ipê e flamboyant no Parque Ecológico Municipal. A ação foi realizada pelo Sistema Cooperat