Porto Velho (RO) sexta-feira, 7 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Hidrelétricas do Madeira

USINAS: projeto enfrenta problemas, apesar da licença


Lula convoca reunião para discutir energia 
Encontro do CNPE deve tratar de segurança energética e de usinas do Madeira
Leonardo Goy e Renée Pereira
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva convocou para hoje reunião extraordinária do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), no Palácio do Planalto.  Segundo fontes, os integrantes do conselho discutirão a situação do suprimento de energia nos próximos anos.  Para um executivo de uma importante empresa privada, a convocação dessa reunião mostra que o governo está preocupado com os riscos de o País vir a sofrer um novo racionamento de energia entre 2010 e 2011.
Parte dessa preocupação seria decorrente dos últimos estudos divulgados no mercado, especialmente o do Instituto Acende Brasil.  O trabalho aponta que o risco de ser decretado racionamento em 2011 é de até 32% - porcentual bem superior aos 5% tidos pelo governo como aceitáveis.
Os dados, no entanto, são veementemente contestados pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), que garante o suprimento nos próximos anos.  Um dos argumentos é que último leilão de energia nova, realizado semana passada, conseguiu suprir a demanda para 2010 que foi apresentada pelas distribuidoras.  Mas o resultado foi bastante criticado por analistas pelo fato de apenas terem sido negociados contratos de venda de energia de usinas térmicas movidas a óleo combustível.
O fato de o presidente Lula participar da reunião traz mais peso ao encontro.  A última vez em que Lula reuniu-se com o CNPE foi em maio de 2006, no auge da crise do gás com a Bolívia.  Na ocasião, o conselho aprovou planos para antecipar a produção de gás no Brasil, com o intuito de diminuir a dependência do combustível boliviano.  Neste ano, o CNPE reuniu-se apenas uma vez, no fim de junho, para aprovar o projeto de retomadas da construção da usina nuclear de Angra 3, no Rio de Janeiro.
Outro assunto que deverá ser discutido é a situação do projeto das hidrelétricas do Rio Madeira.  Apesar de a licença ambiental das usinas ter saído, o projeto enfrenta problemas.
A intenção do governo de tirar as estatais do leilão para, posteriormente, se tornarem parceiras do consórcios vencedor virou uma dor de cabeça.  Isso porque a proposta esbarra no fato de que Furnas assinou um contrato de exclusividade com a Odebrecht para disputar o leilão em sociedade.  As duas empresas foram responsáveis pelos estudos de viabilidade dos projetos.
A Camargo Correa, principal concorrente, já apresentou à Secretaria de Direito Econômico (SDE), do Ministério da Justiça, questionamento sobre o contrato firmado pela Odebrecht com diversos fornecedores de equipamentos.  Nos bastidores, comenta-se que os concorrentes estariam dispostos a questionar também a parceria entre Odebrecht e Furnas.  Segundo fontes, o presidente do conselho da Odebrecht, Pedro Novis, teria participado, segunda-feira, de uma reunião com a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff.
Fonte: O Estado de S.Paulo - Amazônia.org  - Colaborou: Vera Rosa

Mais Sobre Hidrelétricas do Madeira

Iniciadas as obras de proteção das margens do rio na região da Madeira-Mamoré

Iniciadas as obras de proteção das margens do rio na região da Madeira-Mamoré

A população de Porto Velho pode comemorar o início das obras que fazem parte do importante projeto de revitalização do complexo da Estrada de Ferro

Hidrelétrica Santo Antônio completa quatro anos de geração

Hidrelétrica Santo Antônio completa quatro anos de geração

Porto Velho, março de 2016.Dia 30 de março marca os quatro anos desde o início de geração da Hidrelétrica Santo Antônio, localizada no rio Madeira, em

Estudantes de engenharia elétrica do acre visitam Jirau

O canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Jirau foi cenário de estudo dos estudantes do primeiro período do curso de Engenharia Elétrica da Universida

Governo faz mega desapropriação em Belo Monte

BRASÍLIA – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) formalizou na última terça-feira (3) a última desapropriação de terras para a construção da