Porto Velho (RO) segunda-feira, 3 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Hidrelétricas do Madeira

JIRAU: Moreira recomenda diálogo



O deputado Moreira Mendes (PPS-RO) manifestou hoje preocupação com a paralisação das obras de construção da usina de Jirau, no rio Madeira. Segundo ele, a suspensão dos trabalhos é um grande problema para o estado, e precisa ser resolvido com a máxima urgência, "sob pena de um prejuízo incalculável, social e econômico". Ele recomenda mais diálogo entre o governo estadual e o consórcio Energia Sustentável do Brasil – responsável pelas obras – para que o impasse seja resolvido o mais breve possível. (Clique e veja entrevista de Cassol sobre Jirau no Opinião TV).

As obras da usina de Jirau foram suspensas no último dia 19, quando expirou o prazo da licença parcial concedida pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Apesar da expectativa da emissão da licença definitiva pelo órgão federal, ainda não há data exata para retomada dos trabalhos.                                                   

"Eu sou defensor da usina de Jirau, sou defensor da usina de Santo Antonio, como sou defensor de todo e qualquer grande investimento que possa ser levado para o estado de Rondônia, porque gera emprego, esta é minha preocupação principal", diz o deputado. Ele argumenta que, além de gerar milhares de empregos e riquezas para o estado, Jirau é uma obra importantíssima para o Brasil. "O Brasil corre risco de apagão elétrico no futuro, e essas obras (do Madeira) é que vão livrar o país desse risco", observou.

Moreira elogiou a postura do governo do estado de apresentar algumas condicionantes para liberar as obras de Jirau, mas alertou que a intransigência pode gerar prejuízos para Rondônia. "Achei até legítimo que o governador (Ivo Cassol), em determinado momento, colocasse uma cartada na mesa para regularizar o problema da reserva do Bom Futuro, e o resultado foi positivo. O ministro (do Meio Ambiente, Carlos Minc) já declarou – inclusive em audiência pública – que as mais de cinco mil famílias vão continuar lá, isso é um avanço", registrou.

Por outro lado, o deputado defende um entendimento entre as partes envolvidas, de maneira que os interesses do estado estejam acima de quaisquer outras questões. "Me parece que o governo está puxando muito a corda - que pode romper, o que não é bom para Rondônia. Até porque são milhares de pessoas que estão empregadas, e, se o governo exigir muito, vai acabar gerando um desemprego muito grande, e o governo vai ser responsabilizado indiretamente por isso", alertou.

Para solucionar o conflito, Moreira diz que são necessários apenas compreensão, boa vontade e muito diálogo. "O governo precisa sentar à mesa de negociações, conversar, dizer o que quer, transigir naquilo que for possível – sempre no limite da lei -, e do outro lado, o consórcio também precisa mudar naquilo que for possível", concluiu.

Fonte: Claudivan Santiago

Mais Sobre Hidrelétricas do Madeira

Iniciadas as obras de proteção das margens do rio na região da Madeira-Mamoré

Iniciadas as obras de proteção das margens do rio na região da Madeira-Mamoré

A população de Porto Velho pode comemorar o início das obras que fazem parte do importante projeto de revitalização do complexo da Estrada de Ferro

Hidrelétrica Santo Antônio completa quatro anos de geração

Hidrelétrica Santo Antônio completa quatro anos de geração

Porto Velho, março de 2016.Dia 30 de março marca os quatro anos desde o início de geração da Hidrelétrica Santo Antônio, localizada no rio Madeira, em

Estudantes de engenharia elétrica do acre visitam Jirau

O canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Jirau foi cenário de estudo dos estudantes do primeiro período do curso de Engenharia Elétrica da Universida

Governo faz mega desapropriação em Belo Monte

BRASÍLIA – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) formalizou na última terça-feira (3) a última desapropriação de terras para a construção da